Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

…e no filho do ministro do TCU

Para a Polícia Federal, o esquema que atuou no Ministério do Turismo também tentou se resguardar de uma decisão prejudicial do TCU, corte que iniciou as investigações do caso. Eles teriam contratado para sua defesa Tiago Cedraz, filho do ministro do tribunal Aroldo Cedraz. Numa conversa telefônica interceptada dia 27 de maio, Luiz Gustavo Machado, […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 11h08 - Publicado em 11 ago 2011, 09h02

Para a Polícia Federal, o esquema que atuou no Ministério do Turismo também tentou se resguardar de uma decisão prejudicial do TCU, corte que iniciou as investigações do caso. Eles teriam contratado para sua defesa Tiago Cedraz, filho do ministro do tribunal Aroldo Cedraz. Numa conversa telefônica interceptada dia 27 de maio, Luiz Gustavo Machado, o diretor-executivo do Ibrasi, conversou com Romildo, identificado pela PF como sócio de Tiago Cedraz.

Tratar-se-ia do advogado Romildo Olgo Peixoto Junior. Romildo disse-lhe que já tinha a “proposta” dos analistas do tribunal para o caso do convênio sob investigação. O TCU informou à PF, porém, que somente no dia 1º de junho é que foi autorizada a cópia do processo. Para ressaltar a vantagem do advogado, Romildo afirmou na conversa:

– Bom, quanto ao Tribunal (de Contas da União), nós sabemos tudo que está se passando.

Publicidade