Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Um livro para quem quer a volta da ditadura

O que significa ser patriota num país como o Brasil

De todos os romances de Lima Barreto, principal homenageado da FLIP-2017, nenhum parece ser mais certeiro e irreverente que Triste Fim de Policarpo Quaresma. É difícil encontrar uma sátira social mais completa em toda a história da literatura brasileira. Espécie de Quixote tupiniquim, o protagonista caminha para a própria derrocada pelo simples fato de ser sincero em seu patriotismo.

Policarpo Quaresma ama o Brasil sobre todas as coisas.

Por isso estuda a história e a geografia do país e elabora projetos mirabolantes para resgatar a dignidade do povo brasileiro. O primeiro é rechaçar o português, língua europeia colonialista, e transformar a língua geral dos povos indígenas no idioma oficial da nação.

Ridicularizado, muda-se para o interior e trabalha duro para provar que o Brasil teria condições de erradicar a pobreza se assumisse a sua vocação de potência agrícola. Vencido pelas saúvas que invadiram as plantações, pelo coronelismo local e pela falta de investimentos nos minifúndios, Policarpo se alista no exército para lutar na Revolta da Armada ao lado de Floriano Peixoto.

Já teríamos motivos suficientes para ler e estudar o romance, mas é a partir daqui que o livro começa a falar mais diretamente ao nosso tempo, quando um grupo maior do que o esperado invade as redes sociais para solicitar a volta dos militares ao Planalto.

Na opinião de Policarpo Quaresma, apenas um governo forte, um “marechal de ferro” como Floriano seria capaz de fazer o Brasil embicar para o futuro. O que o ingênuo não sabia é que o seu ídolo — tanto no romance quanto na História com maiúscula — era um tirano sanguinário disposto a tudo para se perpetuar no poder.

Vencidos os rebeldes da Armada, o Major Quaresma ficou responsável pela burocracia dos cárceres. Cedo descobriu que, na calada da noite, magotes de prisioneiros eram levados para ilhas desertas e fuzilados sem julgamento. Policarpo se apressa em denunciar a barbárie aos superiores, supondo que aquilo não podia ser coisa do general-presidente, um homem tão íntegro, tão correto, rígido porém justo.

Já se pode imaginar o “triste fim” do título, não?

Os militares oportunistas, os civis corruptos, os puxa-sacos de ocasião, os covardes, os arrivistas, todo mundo se dá bem no fim da história, menos o Major Quaresma, que vai para o paredão. Quando percebe o equívoco de suas convicções, é tarde demais. Poucas cenas da literatura brasileira são mais comoventes do que o monólogo de Policarpo na madrugada em que será executado.

Ali está a impotência dos brasileiros em 1894.

1894?

O tupi encontrou a incredulidade geral, o riso, a mofa, o escárnio; e levou-o à loucura. Uma
decepção. E a agricultura? Nada. As terras não eram ferazes e ela não era fácil como diziam os
livros. Outra decepção. E, quando o seu patriotismo se fizera combatente, o que achara? Decepções.
Onde estava a doçura de nossa gente? Pois ele não a viu combater como feras? Pois não a via matar
prisioneiros, inúmeros? Outra decepção. A sua vida era uma decepção, uma série, melhor, um
encadeamento de decepções.

Lima Barreto, capítulo final de Triste Fim de Policarpo Quaresma

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. E que motivo tu vês quando bandos de retardados invadem as redes sociais para a implantação de um sistema genocida como o socialismo?

    Curtir