Clique e assine a partir de 8,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Uma Porto Alegre foi desmatada na Amazônia no mês de abril

Dados do Imazon mostram que, aproveitando a pandemia, grileiros e garimpeiros avançam sobre terras públicas, unidades de conservação e terras indígenas

Por Matheus Leitão - Atualizado em 19 Maio 2020, 09h33 - Publicado em 18 Maio 2020, 19h23

O Brasil perdeu o equivalente a uma cidade de Porto Alegre (RS) de floresta amazônica no mês de abril, mostram dados divulgados, nesta segunda-feira (18), pelo Instituto de Pesquisa Imazon. Em plena pandemia do novo coronavírus, o total desmatado em abril é o maior dos últimos dez anos, devastando também terras indígenas. Supera, inclusive, o salto grande do ano passado, do qual resultou uma crise internacional do governo Bolsonaro com países que financiam o Fundo Amazônia e compram do agronegócio brasileiro.

Com o relaxamento da fiscalização da atual gestão do Ministério do Meio Ambiente, grileiros e garimpeiros avançam sobre terras públicas, unidades de conservação e terras indígenas. Os satélites registraram até o crescimento da exploração de madeira em Terras Indígenas (TI) na Amazônia.

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

No ranking das TIs mais desmatadas, duas estão na lista de vulneráveis para o coronavírus, segundo levantamento feito pelo Instituto Socioambiental, parceiro do Imazon. Entre elas, a TI Yanomami, localizada entre Roraima e Amazonas.

De acordo com dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon, o desmatamento na Amazônia atingiu 529 km² em abril deste ano, um aumento de 171% em comparação com abril do ano passado. Responsável por 32% da área total desflorestada em abril, o Pará voltou ao topo do ranking dos estados que mais desmatam na região.

Em seguida vem Mato Grosso (26%), Rondônia (19%), Amazonas (18%), Roraima (4%) e Acre (1%). Enquanto Brasília pega fogo a olhos vistos, em meio a atual crise política, a Amazônia arde em chamas com o silêncio do governo federal.

Continua após a publicidade
Publicidade