Clique e assine a partir de 9,90/mês
Marcos Emílio Gomes A coluna trata de desigualdade, com destaque para casos em que as prioridades na defesa dos mais ricos e mais fortes acabam abrigadas na legislação, na prática dos tribunais e nas tradições culturais

Fragmentos de um discurso injurioso

As redes sociais são um criadouro de ideias "da família das moscas teimosas" – do tipo que, "por mais que a gente as sacuda, elas tornam e pousam"

Por Marcos Emílio Gomes - Atualizado em 22 Jun 2020, 18h38 - Publicado em 22 Jun 2020, 16h22

Saber como e até que ponto é possível pensar diferente equivale a abrir uma fresta no caminho para a compreensão dos outros, da contemporaneidade e da forma como as ideias se acomodam na percepção coletiva da realidade. O tema é um dos pilares da filosofia moderna, mas o exercício proposto aqui é bem mais raso.

Pretende apenas destrinchar uma composição medíocre, um discurso injurioso que, como muitos outros, dissemina-se em redes sociais e ganha a condição de reflexão justificadora da insensibilidade, da acomodação, do preconceito e de privilégios que marcam a profunda divisão social no país, tornada ainda mais aguda pela pandemia e pela polarização política.

O texto a seguir espalha-se rapidamente nos grupos digitais:

“Agradeço a todos os meus amigos e conhecidos que ainda se atrevem a se relacionar comigo, apesar de todas as minhas deficiências.
“Eu nasci branco, o que me faz racista.
“Em uma família trabalhadora, então eu sou burguês
“Não voto para esquerda, o que me torna fascista.
“Sou heterossexual, o que me torna um homofóbico.
“Valorizo ​​minha identidade e minha cultura, o que me torna um xenófobo.
“Eu gostaria de viver em segurança e ver criminosos na prisão, o que me torna um torturador.
“Quero que respeitem minha maneira de pensar e minhas crenças e não me façam pensar que o anormal é normalmente relativo, o que me transforma em um repressor.
“Penso que os subsídios acabam com o esforço de trabalhar e minam a dignidade das pessoas, por isso sou insensível.
“Acredito que cada um deve ser recompensado de acordo com sua produtividade, mérito e capacidade, o que me torna um egoísta antissocial.
“Eu fui educado com valores e princípios, o que me torna um oponente do bem-estar social.
“Esta é uma pequena e breve revisão da minha má reputação.
“Mas, pelo menos, tenho certeza de que somos vários: o amigo que me enviou a mensagem, eu e, se você também tem essa má reputação, a reenvia [sic].
“Agradeço a todos os meus amigos e conhecidos que ainda se atrevem a se relacionar comigo, apesar de todas as minhas falhas.”

Não é difícil perceber que, nesse tom assim lembrando O Pequeno Príncipe, o que a suposta reflexão profunda sobre a condição nacional está buscando é o estabelecimento de pretextos para o comportamento que anima pais de família a sair à rua vestidos de verde-amarelo para defender um presidente corrosivo e corroído.

Continua após a publicidade

Até onde se pode rastrear, trata-se de mais uma iniciativa da usina de criações digitais mantida pelos esquadrões bolsonaristas, na busca de uma alternativa motivadora que substitua, ou complemente, o sistema propagador de notícias falsas, iluminado demais no momento para operar a toda força.

O arrazoado busca, com a mesma qualidade literária, o efeito a que se assiste, sobre adolescentes e permanentes adolescentes, no caso da simplória poesia militante de esquerda. Mas, como esta tem pelo menos motivação transformadora, e a peroração acima pretende apenas conservar ou aperfeiçoar arranjos sociais injustos, é interessante decompor seu conteúdo, como num antiga interpretação escolar de texto.

Frase por frase, o subtexto de cada período fornece argumentos para a inação, a disseminação do preconceito e, de certo modo, a conformidade com a propagação do ódio contra tudo o que seja diferente ou represente uma ameaça a privilégios historicamente estabelecidos:

“Agradeço a todos os meus amigos e conhecidos que ainda se atrevem a se relacionar comigo, apesar de todas as minhas deficiências.”
– Sou apenas um brasileiro comum.
O neon aceso da ironia anuncia um show de autoindulgência.

“Eu nasci branco, o que me faz racista.”
– Tenho, portanto, de conformar-me com esse mundo em que ocupo, naturalmente, uma posição de vantagem sobre os que nasceram de outra cor.
Se o racismo explícito individual é um crime hediondo, esse que prega a isenção e se exime de responsabilidade é justamente o que faz prosperar a discriminação em nível coletivo.

“(Nasci) Em uma família trabalhadora, então eu sou burguês”
– Comecei, sem nenhuma culpa, a corrida ascendente muitos metros à frente dos que vêm de famílias desestruturadas e devo manter essa vantagem porque não há espaço para todos nos patamares superiores.
Argumento de proporção semelhante ao que trata do racismo, a frase serve para eximir o sujeito de responsabilidade sobre questões sociais.

“Não voto na esquerda, o que me torna fascista.”
– Se não aceitam o que eu penso, são todos comunistas.
O mundo, nessa perspectiva, não tem nuances e se divide entre bons e maus. Cabe lembrar que o autoritarismo de esquerda parte do mesmo princípio.

“Sou heterossexual, o que me torna um homofóbico.”
– Apenas estou de acordo com o que manda a natureza.
Argumento que antecede a alguma piada que discrimina gênero, a afirmação requer análise – do tipo oferecida por psicanalistas. Só a psicologia é capaz de explicar por que um heterossexual sente-se apontado como homofóbico.

“Valorizo ​​minha identidade e minha cultura, o que me torna um xenófobo.”
– O Brasil é o país mais rico do mundo, e também onde mais se rouba.
Naturalmente, o caso é de confusão quanto a significados. Não são xenófobos os que valorizam identidade e cultura. Também não são xenófobos os que se deslumbram com férias em Miami e quinquilharias importadas. Talvez o termo mais adequado seja chauvinista, referente a um patriotismo vazio de ocasião.

“Gostaria de viver em segurança e ver criminosos na prisão, o que me torna um torturador.”
– Tem gente que já nasce ruim.
Essa conversa vai longe. Segue geralmente argumentando que “se a polícia matasse mais vagabundos, os presídios não seriam escolas para a formação de bandidos” e chega ao salvo conduto para os agentes da violência do Estado.

“Quero que respeitem minha maneira de pensar e minhas crenças e não me façam pensar que o anormal é normalmente relativo, o que me transforma em um repressor.”
– São, então, anormais, os que não pensam como eu.
Trata-se de um atalho para a intolerância religiosa, política, econômica e de qualquer outra natureza.

“Penso que os subsídios acabam com o esforço de trabalhar e minam a dignidade das pessoas, por isso sou insensível.”
– Os outros são uns aproveitadores.
Claro que a máxima não vale para subsídios que favoreçam os próprios negócios. Aplica-se apenas a programas de renda mínima, reivindicações salariais e direitos trabalhistas em geral. É muito comum ser pronunciada por quem prega a caridade e a doação, mas tem horror à institucionalização do combate à desigualdade.

“Acredito que cada um deve ser recompensado de acordo com sua produtividade, mérito e capacidade, o que me torna um egoísta antissocial.”
– Eu me esforcei e não devo nada a ninguém.
Estranhamente, a meritocracia só é em geral defendida mais vigosaramente depois de se passar pelas melhores escolas particulares e universidades, não raramente públicas. Qualquer proposta que busque igualar oportunidades é extremista.

“Fui educado com valores e princípios, o que me torna um oponente do bem-estar social.”
– Que culpa tenho de ter nascido numa família estável?
A estabilidade é bem mais fácil com renda adequada, acesso a educação e plano de saúde.

“Esta é uma pequena e breve revisão da minha má reputação.”
– O mundo é dos mais fortes.
Ou dos mais espertos ou ainda dos que tiveram a sorte de encontrar oportunidades, entre milhares de fracassados, e imaginam ter vencido a competição pela sobrevivência.

“Mas, pelo menos, tenho certeza de que somos vários: o amigo que me enviou a mensagem, eu e, se você também tem essa má reputação, a reenvia [sic].”
– Estamos todos empenhados na defesa de nossos privilégios.
Ao longo da história, sociedades que se basearam em princípios semelhantes e em argumentos de tamanha hipocrisia, terminaram sugerindo que os miseráveis comessem brioches, escravizaram e perseguiram os diferentes, produziram pogrons e holocaustos.

“Há ideias que são da família das moscas teimosas: por mais que a gente as sacuda, elas tornam e pousam”.
Machado de Assis, “Uns Braços”.

  • Para comentar este texto, use por favor este link.
  • No site Ora Essa!, há novas publicações tratando do cenário do país em pandemia, crise econômica e caos político.
Publicidade