Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Nas redes sociais, Carlos Bolsonaro decidiu partir para o ataque a Lula

Vereador passou a priorizar o adversário eleitoral do pai em vídeos, fotos e mensagens; desde segunda-feira, foram cinco de nove posts publicados no Twitter

Por Caíque Alencar 27 out 2021, 12h18

Líder das mobilizações virtuais de bolsonaristas e o principal administrador dos perfis do pai nas redes sociais, o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) passou a ter um novo alvo preferido para insuflar os seus seguidores: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com o petista fazendo aparições já em ritmo de campanha para 2022 e liderando as pesquisas eleitorais, o filho Zero Três do presidente Jair Bolsonaro intensificou nos últimos meses os ataques ao principal adversário do pai na corrida ao Palácio do Planalto. Só entre segunda-feira e esta quarta-feira, foram cinco posts no Twitter relacionados ao petista (de um total de nove).

Com um arsenal de vídeos e fotos em tom crítico ao ex-presidente – e muitas vezes tirados de contexto –, Carlos dobra a aposta na radicalização, utilizando temas caros ao bolsonarismo para gerar engajamento na base apoiadora de Bolsonaro. Entre as publicações feitas pelo vereador estão mensagens associando o ex-presidente a integrantes da CPI da Pandemia, como o senador Renan Calheiros (MDB-AL), em uma tentativa também de descredibilizar o órgão colegiado – em um dos posts, o filho do presidente reproduz manchete que diz que “se eleito, Lula sonha com Renan no comando do Senado”.

Conhecedor do tipo de assunto que viraliza entre seus seguidores, Carlos também aposta rotineiramente em temas relacionados à segurança. Um dos vídeos que o vereador utilizou mais de uma vez, por exemplo, é de um em que Lula fala sobre a prisão de adolescentes que roubam celulares, mas com um recorte que sugere que o ex-presidente traria mais impunidade ao país. Nesse vídeo, Lula fala em abusos cometidos pela polícia – os militares são tradicionais apoiadores de Bolsonaro.

Um dos últimos assuntos em que Carlos aproveitou para atacar o ex-presidente foi o episódio envolvendo o chavista Hugo Carvajal, ex-chefe do serviço militar de inteligência da Venezuela. Em documento entregue a Justiça da Espanha, “El Pollo”, como é conhecido, admitiu ter financiado ilegalmente movimentos políticos de esquerda na América Latina e na Europa. Entre os beneficiários estariam Lula, mas também Néstor Kirchner na Argentina, Evo Morales na Bolívia, Fernando Lugo no Paraguai, Ollanta Humala no Peru, Zelaya em Honduras, Gustavo Petro na Colômbia, Movimento Cinco Estrela na Itália e Podemos na Espanha.

Nesta quarta-feira, ele postou comparações de iniciativas da gestão do pai, como o envio de projetos de privatizações, desregulamentações e cortes de cargos de confiança com o inchaço da máquina e dos gastos públicos promovido pela gestão do petista.

O aumento das críticas a Lula ocorre em um momento em que Bolsonaro se encontra no olho do furacão, com a CPI da Pandemia em seu encalço com um relatório que o indicia por dezenas de crimes e pesquisas de opinião mostrando o presidente com dificuldades de se aproximar de Lula nas intenções de voto. Pesquisa Datafolha feita entre 13 e 15 de setembro mostrou o ex-presidente com 44% das intenções de voto nas respostas estimuladas e únicas – Bolsonaro ficou com 26%. Na simulação de segundo turno, o atual presidente teria 36% contra 56% do petista.

Continua após a publicidade

Publicidade