Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
José Casado Por José Casado Informação e análise

Centrão negocia com Bolsonaro e Lula, para continuar onde sempre esteve

Centrão negocia com Bolsonaro e Lula, ao mesmo tempo, para preservar o controle sobre um terço do Congresso, e continuar onde sempre esteve, no centro poder

Por José Casado Atualizado em 28 jul 2021, 11h09 - Publicado em 28 jul 2021, 09h00

Centrão é o apelido dado a um aglomerado de interesses parlamentares consolidado em bancadas regionais. Não tem endereço, CNPJ, CPF, placa ou telefone. Não é de direita, de centro ou de esquerda. É dono de cerca de um terço dos votos no Congresso. Alia-se a qualquer governo, na medida do acesso que recebe ao orçamento e aos cargos-chave na administração pública.

Jair Bolsonaro diz estar “entregando a alma” do seu governo a essa massa política disforme, conhecida como Centrão, ao nomear o senador Ciro Nogueira, do PP do Piauí, para a chefia da Casa Civil. É recomendável acreditar no presidente, ressalvada a caracterização de uma ação ainda em desenvolvimento. Jogador de palavras cruzadas, ele sabe o significado de gerúndio (“entregando”).

Na vida real, como reconhece, Bolsonaro é “do Centrão”. Foi e continua sendo um representante da extrema-direita, integrante do baixo clero durante 28 anos como deputado federal, na maior parte do tempo militante do Progressistas (PP), o motor do grupo parlamentar.

Em 2005, por exemplo, ele e Ciro Nogueira, hoje presidente do PP e novo chefe da Casa Civil, trabalharam juntos como auxiliares do deputado Severino Cavalcanti (PP-PE) na eleição para a presidência da Câmara.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro recria pasta do Trabalho para viabilizar mudança na Casa Civil

Continua após a publicidade

O governo Lula apostava nas fluidas relações com esse aglomerado partidário para eleger seu candidato, o então deputado Luiz Eduardo Greenhalgh. Severino ganhou e tentou fazer Ciro ministro das Comunicações, Lula titubeou, mas acabou rejeitando-o. Pouco depois, revelou-se que a fluidez das relações do governo do PT com os partidos do Centrão era garantida por um aditivo, conhecido como Mensalão.

Década e meia depois, Bolsonaro e Centrão governam juntos. Consolidam uma aliança política que se mostrou utilitária para ambos nos últimos 30 meses — à margem das frações bolsonaristas, cada vez mais isoladas em diferentes partidos. Não significa que a reeleição de Bolsonaro seja prioridade. Para o grupo, sobretudo o PP, relevante é a eleição parlamentar.

As relações com Bolsonaro nunca estiveram tão fluidas. Ele aceitou até transferir poder sobre uma fatia expressiva do orçamento. Abriram uma conta orçamentária especial Orçamento (código RP-9) para despesas definidas por Ciro Nogueira, Arthur Lira, presidente da Câmara, e outros líderes do agrupamento partidário. Em 2020 foram R$ 19,7 bilhões nessa rubrica. Para este ano estão previstos R$ 17,5 bilhões. Até dezembro definem o gasto para 2022, ano de eleições gerais. É tudo por ofício, direto aos ministérios, numa espécie de ordem de pagamento. Sem transparência.

+ Em tom de campanha, Lula mira em Paulo Guedes e Arthur Lira

Observa-se, ao mesmo tempo, um esforço discreto de Lula com líderes do Centrão. O ex-presidente decidiu não o considerar um bloco, oposto do que faz Bolsonaro. Há meses conversa separadamente com personagens influentes do grupo. Sem orçamento, joga com a perspectiva de poder desenhada nas pesquisas eleitorais. É o que possui no momento.

O Centrão negocia com Bolsonaro e Lula, ao mesmo tempo, focado no aumento das bancadas partidárias na eleição do próximo ano. Não importa quem venha ser eleito presidente, para esse agrupamento disforme, o relevante é para preservar (ou ampliar) o controle sobre um terço do Congresso — e continuar  onde sempre esteve, no centro poder.

Continua após a publicidade
Publicidade