Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
José Casado Por José Casado Informação e análise

Agora, a confusão do governo é com a Seleção

É grande a pressão para impedir o protesto dos jogadores, previsto para terça-feira, contra a a Copa América no país devastado pela pandemia

Por José Casado Atualizado em 6 jun 2021, 03h47 - Publicado em 6 jun 2021, 09h30

Se experiência é o nome que se dá aos erros, o governo Bolsonaro acaba de ficar mais experiente. Se meteu numa grande confusão com a joia mais cara do esporte nacional: a Seleção Brasileira.

Tendo perdido o controle da pandemia, enredado em inquéritos no Supremo e numa CPI no Senado, resolveu testar a popularidade com a promoção da Copa América.

No Palácio do Planalto a negociação foi feita com celeridade surpreendente até para a cartolagem da Conmebol e anunciada em tom solene por Jair Bolsonaro, candidato à reeleição, citando o “apoio” dos seus 22 ministros. “Assunto encerrado”, decretou.

O problema está na realização de uma festa do futebol num país devastado pela pandemia, cenário de mais de 472 mil mortos e com 63 mil novos casos confirmados por dia. A reação negativa foi imediata. Só  quatro governadores concordaram (Rio, Goiás, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal). João Doria, de São Paulo, aceitou e recuou.

Agora, a confusão do governo é com os jogadores, que protestam. Prevê-se para terça-feira um manifesto coletivo contra a Copa América no Brasil, depois do jogo com o Paraguai pelas eliminatórias da Copa do Mundo. Ontem, era intensa a pressão para que desistam.

Pouco importa, o estrago está feito. A pressa marqueteira do Planalto deixou Bolsonaro em situação similar à do técnico Vicente Feola, ao orientar a seleção antes da partida contra a União Soviética, na  Copa do Mundo de 1958:

— Logo de saída, joguem a bola no Garrincha — disse, segundo a versão resgatada por Marcio Bueno no livro Faíscas Verbais. “Ele desce pela direita, vem um russo pra dar combate e dois russos se aproximam pra ficar na cobertura. Com três russos marcando o Garrincha, sobram dois atacantes brasileiros sem marcação. Aí, é só o Garrincha correr para a linha de fundo, cruzar e…

O atento Garrincha interrompeu o técnico: — Vocês já combinaram com os russos?

Bolsonaro anunciou uma Copa. Só esqueceu de combinar com o público, o técnico e os jogadores da Seleção Brasileira.

Continua após a publicidade
Publicidade