Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Efeito bumerangue

Recurso da defesa ao TRF-4 só fez piorar a situação de Lula no processo de Atibaia

Por Dora Kramer - 27 nov 2019, 19h09

O resultado do julgamento do recurso da defesa do ex-presidente Lula ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região mostrou a razão pela qual os advogados tentaram adiar a decisão no processo sobre o sítio de Atibaia. Os desembargadores não só confirmaram a condenação por unanimidade, como aumentaram de 12 para 17 anos a pena de reclusão.

O pedido de absolvição ou da volta da ação para a primeira instância com base na decisão do STF sobre a ordem de alegações finais de acusados e delatores, acabou voltando-se contra o ex-presidente. A exposição dos magistrados rememorou toda a trajetória percorrida por Sergio Moro para chegar à condenação, detalhando a ocorrência dos ilícitos, como corroborou a sentença e aumentou a pena.

No momento em que Lula sai da prisão tentando emplacar a versão de que é um perseguido político e, mais, investindo na tentativa de obter a suspeição de Moro junto ao Supremo, esse resultado do TRF-4 teve o efeito de um bumerangue: reforçou a evidência de que Lula solto não significa Lula livre.

Publicidade