Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Vlady Oliver: Os nomes aos bois

Veja a lista dos que ajudaram a tropa de Dilma a estuprar a Constituição

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 21h58 - Publicado em 31 ago 2016, 19h52

Sempre sou acusado por aqui de não nominar meus desafetos. Se o faço, é com a intenção de preservar o próprio mentor deste espaço, responsável por tudo que aqui é publicado e que não merece ser responsabilizado judicialmente pelas gargantas barulhentas de seus comentaristas mais destemperados. No entanto, o momento exige uma exceção. Aqui vão os nomes da turma que, em parceria com o bando de Dilma, estuprou a Constituição para preservar os direitos políticos da presidente castigada com o impeachment:

– Acir Gurgacz
– Antonio Carlos Valadares
– Cidinho Santos
– Cristovam Buarque
– Edison Lobão
– Eduardo Braga
– Hélio José
– Jader Barbalho
– João Alberto Souza
– Raimundo Lira
– Renan Calheiros
– Roberto Rocha
– Rose de Freitas
– Telmário Mota
– Vicentinho Alves
– Wellington Fagundes

Três favoreceram Dilma com a abstenção:
– Eunício Oliveira
– Maria do Carmo Alves
– Valdir Raupp

Como venho defendendo aqui mesmo, a única forma de limpeza de nossa democracia contaminada é o conhecimento. É a verdade. São as reais intenções postas a nu. Michel Temer acaba de dar uma demonstração de transparência, franqueando o início de sua reunião ministerial à imprensa. Muito diferente da malandragem arquitetada na surdina, na intenção de minimizar os efeitos do impeachment e não punir a presidente afastada pelos seus atos e improbidades.

A historinha sentimentaloide de que foi um gesto de grandeza não cola. Foi um tapa na cara da nação e da cidadania, urdido na calada da noite. Que respondam nas urnas por mais essa pilantragem. Nesses senhores aí em cima eu não votarei nunca mais. Latrina neles.

Continua após a publicidade
Publicidade