Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O neurônio e o tempo

“Eu quero começar cumprimentando as mulheres jovens e nós, mulheres não tão jovens, mas ainda jovens. E cumprimentando também os delegados. Aliás, eu acho, sabe, Boff, que  um dos mais jovens aqui presentes, nesse ato, é o Pepe Mujica. Ele conseguiu manter aquela ânsia que a juventude tem. E conseguiu fazer isso de uma forma […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 23h49 - Publicado em 17 dez 2015, 22h38

“Eu quero começar cumprimentando as mulheres jovens e nós, mulheres não tão jovens, mas ainda jovens. E cumprimentando também os delegados. Aliás, eu acho, sabe, Boff, que  um dos mais jovens aqui presentes, nesse ato, é o Pepe Mujica. Ele conseguiu manter aquela ânsia que a juventude tem. E conseguiu fazer isso de uma forma que só nos encantou”.

Dilma Rousseff, nesta quarta-feira, na Conferência Nacional de Juventude, ensinando à plateia em geral e teólogo Leonardo Boff em particular que a adolescência começa aos 50 anos no Brasil e aos 60 no Uruguai.

Publicidade