Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cinco notas de Carlos Brickmann

CARLOS BRICKMANN Publicado na coluna de Carlos Brickmann Briga sem brigar Lula fez uma série de declarações explosivas, em reuniões fechadas mas com muita gente (e, como dizia Tancredo Neves, se o segredo é conhecido por mais de uma pessoa deixa de ser segredo). Disse que muitos petistas só pensam hoje em cargos, empregos, boquinhas; […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 01h05 - Publicado em 24 jun 2015, 11h09

CARLOS BRICKMANN

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

Briga sem brigar
Lula fez uma série de declarações explosivas, em reuniões fechadas mas com muita gente (e, como dizia Tancredo Neves, se o segredo é conhecido por mais de uma pessoa deixa de ser segredo). Disse que muitos petistas só pensam hoje em cargos, empregos, boquinhas; que o PT perdeu a utopia; que os militantes só militam por pagamento; que Dilma não o ouve e tem mão pesada para política.

Lula definitivamente não é bobo. Sabe que tudo o que diz nessas reuniões será divulgado. Ou seja, falou para que todos saibam, mas numa situação em que pode dizer que não foi bem assim. Mostra sua insatisfação com o PT e o governo, busca livrar-se da má imagem do partido e da presidente que elegeu, mas sem rupturas. Quer ter as vantagens de ambos os lados.

Continua após a publicidade

O nome do jogo
Lula é um político hábil e executa bem seu jogo. Só se equivoca ao dizer que o PT perdeu a utopia. Utopia não é sinônimo de pudor.

O apelido do jogador
É um erro atribuir o apelido Brahma, pelo qual Lula era conhecido por alguns empreiteiros, a eventuais hábitos pessoais. É Brahma por ser o Número 1.

O que, a propósito, considerando-se o momento, é muito mais comprometedor.

Dançando quadrilha
Esta semana deve ser de tranquilidade na Câmara (e, por extensão, no Senado). O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do PMDB do Rio, liberou os parlamentares do Nordeste do registro de presença em dois dias desta semana, terça e quarta, para que possam comemorar São João condignamente em seus Estados. Traduzindo, não haverá parlamentares do Nordeste no Congresso em nenhum dia da semana. E a probabilidade de haver sessões é baixíssima.

Não são todos iguais perante a lei? Então, todos igualmente gazeteiam.

Questão de caráter
A jornalista Cora Rónai, viúva de Millôr Fernandes, conta uma história exemplar, um ótimo exemplo para situações como as de hoje. Certa vez, ela e Millôr passaram o fim de semana em Salvador, num ótimo hotel. Na saída, o hotel informou a Millôr que ele não precisaria pagar nada, porque a Odebrecht tinha acertado tudo, em cortesia. Millôr, rápido, recusou com a mesma cortesia: “Sinto muito, não posso aceitar. Nós viemos pela Mendes Jr”.

Continua após a publicidade

Publicidade