Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Carlos Alberto Sardenberg: Viva a Lava Jato

Publicado no Globo Dizem que as crises políticas e econômicas, num dado momento, geram os líderes necessários para sua solução. Dizem também que é muito difícil antecipar quando esse momento está se aproximando, mas que a gente percebe quando chegou. Pois no Brasil de hoje, parece o contrário. O momento já está passando. O senador […]

Publicado no Globo

Dizem que as crises políticas e econômicas, num dado momento, geram os líderes necessários para sua solução. Dizem também que é muito difícil antecipar quando esse momento está se aproximando, mas que a gente percebe quando chegou. Pois no Brasil de hoje, parece o contrário. O momento já está passando. O senador Delcídio Amaral e o banqueiro André Esteves, dono do BTG Pactual, foram presos, por determinação do Supremo Tribunal Federal, sob a acusação de obstrução da Justiça. Mas as peças do processo mostram que essa denúncia, embora muito grave, é até menor diante dos casos que são ali mencionados.

Vamos reparar: o BTG Pactual não é um banco qualquer. É o maior banco de investimentos do país, tem projeção internacional e, nessa condição, está conectado a grandes negócios — a começar pela exposição na área de petróleo e gás — nos quais aparece associado a outros grandes bancos e grandes companhias nacionais e estrangeiras. O envolvimento de seu controlador nos meandros do petrolão oferece, sim, um risco sistêmico. E ameaça arrastar outras instituições financeiras e não financeiras.

Ponto importante: se confirmado o modo de atuação de André Esteves nesse episódio — a operação nos bastidores da polícia, da Justiça e do governo, cujos indícios são avassaladores — a Lava Jato terá apanhado um caso extremo de “capitalismo de amigos, dos negócios arranjados nas mesas políticas”.

Sim, a Lava Jato já apanhou muitos casos assim. Empresários que fizeram delação premiada, como Ricardo Pessoa, contaram que ou entravam no esquema de corrupção da Petrobras/PT ou não tinham obras.

Mas o banqueiro André Esteves é muito mais que isso. Tem peso, talvez, até maior que o de Marcelo Odebrecht. E, para falar francamente, não é de hoje que os mercados olham com certa restrição para o modo de operação de Esteves. Se ele foi efetivamente apanhado, vão muita gente e muito negócio atrás.

Que a política está toda comprometida, já se sabia. Piorou, é verdade. A prisão do senador líder do governo, determinada pelo STF, jogou a crise um degrau acima. Mais exatamente, jogou a crise para a praça ao lado, do prédio do Congresso para o Palácio do Planalto — onde, aliás, já estava parcialmente, conduzida pelos membros do PT apanhados na Lava Jato.

Ou seja, já havia aí um ambiente de perplexidade política. Como se chegou a esse ponto? Repararam que todos os envolvidos na Lava Jato já foram acusados, denunciados e… liberados em inúmeros outros casos? Como é possível que um Congresso funcione com tantos dirigentes envolvidos em casos graves de corrupção? E como foi possível que esses personagens estejam tanto tempo por aí?

Pois o fato novo de ontem é que se pode levar essa perplexidade para o mundo econômico, público e privado. Como foi possível que o país tenha suportado por tanto tempo esse modo de negócios nos quais há um assalto do setor privado sobre o público?

O pior de tudo é que, pensando bem, não há com o que se espantar. Há uma cultura anticapitalista no país, difundida nos meios políticos, intelectuais e acadêmicos, nas escolas, na verdade, na sociedade toda. Empresários e banqueiros, estes principalmente, são todos uns ladrões — tal é a opinião rasa.

E parece que essa opinião é tão difundida que os próprios capitalistas nacionais aderiram a ela. Ok, vamos para a ressalva. Parte dos capitalistas nacionais parece ter pensado: se é tudo roubalheira, por que não? Ou seja, a cultura anticapitalista acaba produzindo um capitalismo de negócios escusos, que, ao final, confirma aquela cultura.

Temos, portanto, uma perfeita crise de valores, que paralisa a política e ameaça paralisar a macroeconomia. Só não paralisa os milhões e milhões de brasileiros que continuam comparecendo ao trabalho, cumprindo suas tarefas e tentando ganhar a vida honestamente. Para que estes não façam o papel de trouxas, está mais do que na hora de uma mudança radical na política — um novo governo, uma nova força, uma nova composição, o que seja — mas que seja capaz de tocar o país.

E que seja capaz, entre outras coisas, de reformar o capitalismo nacional.

Quanto ao Judiciário, se havia alguma dúvida sobre sua conduta, parece que não há mais. Viva a Lava Jato, que criou a oportunidade para que se lave tudo isso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Luis Araujo

    Uma carta para Luís Inácio Lula da Silva.
    Lula acreditei, confiei e votei em você. Meu pai e mãe já falecidos acreditaram e votaram em você. Eles faleceram a algum tempo e o tempo ameniza a dor da perda mas não as lembranças, ainda bem. Lembro que Eles ficaram extremamente alegres quando você ganhou a eleição para presidente e compartilhei com Eles. Lula te pergunto: porque? Eu sei que você tem um bom carácter. Sei que suas intenções eram boas mas o poder te dominou. Sei disso. Te pergunto porque e para que? Valeu a pena? Envolver sua família? Meu Deus aonde você chegou. Sei que você quer sair desta situação, mas você tem duvidas de como fazer. A única saída Lula é enfrentar a realidade e perante a todos confessar as verdades, custe a quem custar. Confessar não só perante a Deus mas confessar perante a sua família e a toda sociedade. Com certeza desta forma você se eternizará para a história e terá a consciência limpa.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Luiz Antonio

    Talvez a melhor forma do ex-presidente expiar seus pecados, esteja na nobreza do suicídio. Os samurais, quando pegos em desonra, o praticavam. Talvez Lula queira dar o exemplo….

    Curtir

  3. Comentado por:

    estela

    vem aih carnaval.olimpiadas, espero q os brasileiros nao se deixem enrolar.a imprensa eh mestre em “distrair” os brasileiros!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Cirval

    Jornalistas sérios não erram uma. A situação atual foi, de há muito, cantada em prosa e verso por jornalistas como o Augusto Nunes, o Sardenberg, o Magnolli, o Reinaldo Azevedo, o Constantino, o Villa, o Merval, todos colocados em lista negra pelo PT. E agora, PT? Caiu a máscara? Até o Romário, para quem a Veja pediu desculpas e disse que não tinha conta na Suíça, confirmou conta em seu nome. Sem a imprensa nada disso teria sido levantado, sem deixar de lado o Judiciário, que é o único poder da República que ainda se salva. O resto é lixo
    Abração, Cirval.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Heitor

    Penso que a dúvida quanto ao Judiciário persiste e ainda mais forte.Quem garante que não houve realmente essas conversas com os ministros do STF? Afinal a maioria dos ministros citados foram indicados pelo PT e em vários ocasiões suas posições me pareceram dúbias.
    Já não confio mais em nenhum político e muito pouco no Judiciário. Pelo que percebemos, todas as instâncias do poder estão seriamente comprometidas com corrupção e mal gerenciamento de recursos públicos.
    Se não mudarmos radicalmente tudo que ai está posto, não conseguiremos nunca chegar a ser um país desenvolvido e para isso dependemos dos políticos. Dessa forma, a esperança de melhorias vai para o espaço.

    Curtir

  6. Comentado por:

    deaC

    Infelizmente continuaremos fazendo papel de trouxa enquanto acreditarmos que elegemos o menos pior, quem sabe homens de bem, só que esse homem ao chegar em Brasília muda o comportamento.
    Eu entendo o Sr. Luis Araujo que postou às 23:01h eu também votei no Lula no primeiro mandato e fiquei muito contente em ver um operário chegar ao poder maior. Diferente do Sr. Luis minha decepção começou logo no primeiro ano de governo, e embora o Sr. Luis afirme que o Lula tem “um bom caráter”, sinto contradizer, NÃO TEM.
    Pessoas de bom caráter andam em linha reta, não se desviam, não tomam atalhos, não são coniventes com erros, não compactuam com bandidos, não são lenientes com os companheiros que cometeram falcatruas.
    Aquele Lula que votei é uma farsa, o verdadeiro é o que aí está, e logo estará numa cela de cadeia. Aguardem.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Giulio Cesare Stancato

    Brasileiro adora e pratica a demagogia…Estamos fadados à inercia…

    Curtir

  8. Comentado por:

    djalma

    Luiz Araújo, quanta inocência a sua. Lula já é bandido a muito tempo, desde os tempos de sindicato. Não se esqueça que era o único preso “político” a receber proteção do Tuma. Porque? Oras, porque entregava companheiros para a repressão.

    Curtir

  9. Comentado por:

    Ricardo A

    Augusto, uma mensagem para o Sr. Luis Araujo – 27/11/2015 às 23:01. Será que você acredita em duende também ? O conteúdo de sua carta é uma fantasia, não sei como as pessoas de bem, como você e sua família, pode acreditar nas lorotas e mentiras de este nefasto cidadão. Lula e PT sempre foram apenas o rótulo de um produto feito para enganar as pessoas. Basta ver os inúmeros vídeos no youtube repletos de contradições e com más intenções nada democráticas. O pior de tudo é que ele ainda insiste neste mesmo perfil de larápio. Será feriado nacional quando Lula for para a Papuda. Abraços

    Curtir

  10. Comentado por:

    Marcos

    Caro Sardenberg, as suas colocações são mais que perfeitas. Mas se já está mais do que na hora de reformar(limpar) o capitalismo brasileiro, também está mais do que na hora de que este seu corajoso comentário seja o padrão a ser adotado por toda a imprensa brasileira que em alguns casos importantes, tem sido cúmplice de tudo que está aí pela mais pura omissão, interesse ou falta de coragem para criticar o imenso chiqueiro em que o Brasil foi transformado. Ou mudamos agora ou seremos uma terra a ser evitada. Abraço.

    Curtir