Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Amazônia concentra 77% do garimpo do país

Atividade se estende também pelas terras indígenas e próxima a rios, lagos e igarapés, segundo levantamento do MapBiomas

Por Valéria França Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 13h08 - Publicado em 19 abr 2024, 07h32

A Amazônia tem problemas gigantes. Extração de madeira ilegal, pecuária de grande escala, tráfico de drogas e garimpo fazem parte de algumas das guerras a serem travadas para protegê-la da devastação. Estudo recente do MapBiomas, empresa que monitora o uso da  terra, mostra que a região concentra 77% do garimpo no Brasil. O dado é desanimador, mas já foi bem pior: o bioma abrigava 92% das explorações em 2022, de acordo com o recente levantamento. Mesmo tendo diminuído, a atividade continua  intensa e muito nociva ao meio ambiente e às pessoas.  O MapBiomas identificou que 40% das áreas de exploração estão a 500 metros de um curso de água, provocando o assoreamento e a contaminação. Dez por cento dessas terras, 25.000 hectares, estão em áreas indígenas protegidas ambientalmente pela Constituição brasileira.

Esses dados explicam o fato de os índios de nove aldeias ianomâmis, em Roraima, estarem contaminados com mercúrio, como detectou pesquisadores da Fiocruz. A substância é usada no processo de separação do ouro. Quando cai na água, o metal acaba sendo absorvido pelos peixes, principal alimento do povo originário. “Enquanto o desmatamento fica circunscrito à área garimpada, o assoreamento gerado pela movimentação de terra na proximidade das bordas de rios e igarapés e a contaminação da água pelo mercúrio, e mais recentemente por cianeto, alcançam áreas muito maiores”, explica Cesar Diniz, coordenador técnico do mapeamento de mineração no MapBiomas. As aldeias ianomâmi (localizadas em Roraima), munduruku (Amazonas, Pará e Mato Grosso) e kayapó (Pará) são as mais atingidas pelo garimpo.

O estudo ainda mapeou as pistas de pouso, principal via de transporte dos garimpeiros. As terras indígenas com a maior quantidade são a Yanomami, com 75 locais, a Raposa Serra do Sol, com 58, a Kaiapó, com 26, e, empatadas, a Munduruku e o Parque do Xingu, com 21.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.