Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A vez da preocupação com a biodiversidade global

Depois das negociações para acordos climáticos na COP27, lideranças vão se reunir no Canadá para a COP da biodiversidade

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
30 nov 2022, 20h32

As crises ambientais desencadeadas pela exploração desenfreada dos recursos naturais são diversas. A urgência que as mudanças climáticas impõem sobre a sociedade faz com que o clima receba mais atenção, mas há outras questões simultâneas e tão importantes quanto. Uma delas é a perda global de biodiversidade. Em dezembro, a COP15, a conferência da biodiversidade, tem o objetivo de dar ao tema a mesma relevância que o clima tem atualmente.

Entre os dias 7 e 19 de dezembro, o encontro será realizado em Montreal, no Canadá. As lideranças têm a meta de sair do evento com um acordo, o Global Biodiversity Framework, para frear e reverter a perda de espécies. De acordo com a ONU, a existência da humanidade depende de condições reguladas pelo mundo natural, como ar puro, comida e um clima habitável. Além disso, mais da metade do PIB global, o equivalente a US$ 41,7 trilhões, depende de ecossistemas saudáveis.

O rascunho para o acordo tem mais de 20 objetivos a partir de propostas como redução do uso de pesticidas, enfrentar espécies invasoras, eliminar subsídios que são prejudiciais para o meio ambiente e aumentar o financiamento para a natureza, tanto de fontes públicas quanto privadas.

De acordo com o diretor geral do WWF Internacional, Marco Lambertini, as populações de animais selvagens sofreram um declínio de 66% em menos de 50 anos. “Estamos perdendo biodiversidade em um ritmo alarmante. Perdemos metade dos corais de águas quentes do mundo, e florestas do tamanho de aproximadamente um campo de futebol desaparecem a cada dois segundos”, declarou.

Continua após a publicidade

A biodiversidade também entrou no cerne das preocupações com o financiamento para soluções ambientais. Segundo o vice-presidente e tesoureiro do Banco Mundial, Jorge Familiar, “soluções baseadas na natureza são um elemento essencial para lidar com a crise climática e o Banco Mundial é um importante financiador dos esforços de biodiversidade nos países em desenvolvimento. Os investidores estão aumentando seu foco na biodiversidade para apoiar um futuro mais resiliente e sustentável”.

Cada espécie desempenha uma importante função na natureza e, com o ritmo acelerado de extinção, os ecossistemas estão igualmente ameaçados. Enquanto a própria mudança climática é um fator que cria condições inadequadas para a sobrevivência de determinados animais e plantas, as ações humanas, como a destruição de habitats e a caça ilegal, também são vetores para a redução de populações da vida selvagem.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.