Comitê dos EUA aprova pílula preventiva contra aids

Especialistas dão sinal verde para que o Truvada seja comercializado para pessoas saudáveis com parceiros infectados

Consultores do FDA, órgão americano que regula alimentos e medicamentos, recomendaram a adoção da droga Truvada como a primeira pílula para prevenir a aids. Os especialistas se reuniram nesta quinta-feira, após o FDA ter se pronunciado favorável ao estudo que mostrava a eficácia do medicamento em pessoas saudáveis. O FDA, que tomará a decisão final sobre o medicamento no dia 15 de junho, não é obrigado a seguir a recomendação do comitê, mas é o que normalmente acontece.

Saiba mais

TRUVADA

O Truvada, comercializado desde 2004, é a combinação de outras duas drogas mais antigas no combate do HIV, Emtriva e Viread. Os médicos normalmente receitam a medicação como parte de um coquetel que dificulta a proliferação do vírus, reduzindo as chances da aids se desenvolver.

A capacidade de prevenção do Truvada foi anunciada pela primeira vez em 2010 como um dos grandes avanços médicos na luta contra a epidemia de aids. Um estudo de três anos descobriu que doses diárias diminuíam o risco de infecção em homens saudáveis em 44%, quando acompanhados por orientação e o uso de preservativo.

Outro estudo descobriu que o Truvada reduziu a infecção em 75% para casais heterossexuais em que um dos parceiros tinha o HIV. O remédio já está no mercado para tratar a doença, mas sob a prescrição médica em casos específicos. A aprovação do FDA permitiria a empresa Gilead Sciences, dona da medicação, para vender a droga formalmente nas condições estabelecidas pelo órgão.

Os especialistas aprovaram por 19 votos contra 3 a prescrição do Truvada para homens homossexuais HIV-negativos, e, por 19 votos a 2 (uma abstenção), receitar a droga para pessoas não infectadas cujos parceiros têm aids.

O Truvada está disponível desde 2004 para tratamento de soropositivos em combinação com outras drogas antirretrovirais, como forma de diminuir a proliferação do vírus no organismo.

Depois de um estudo publicado na revista Science, mostrando a eficácia do remédio em prevenir que pessoas saudáveis fossem infectadas, a fabricante Gilead Sciences apresentou uma solicitação para poder comercializar o Truvada com objetivos de prevenção.

O estudo mostrou que a droga aumentou a capacidade de prevenir o HIV em homens homossexuais, que adotam comportamentos de risco, de 44% para quase 73%. Contudo, críticos observam que a pílula é cara – custa até 14.000 dólares ao ano – e outros alertam que o teste clínico não representa as circunstâncias do mundo real e poderia provocar um aumento na prática de sexo sem proteção e em uma retomada nos casos de aids. Além disso, o remédio pode causar diarreia, tontura, náusea e vômito como efeitos colaterais. Nos casos mais sérios, houve intoxicação do fígado, problemas nos rins e enfraquecimento dos ossos.

Leia também:

França testa tratamento preventivo contra o HIV

Drogas contra HIV podem reduzir risco de nova infecção

Antirretrovirais reduzem risco de infecção pelo HIV

Opinião do especialista

Caio Rosenthal, infectologista do hospital Emílio Ribas

Caio Rosenthal, infectologista do hospital Emílio Ribas (VEJA)

Caio RosenthalInfectologista do hospital Emílio Ribas, em São Paulo.

A utilização do Truvada para pessoas que estão muito expostas ao HIV é muito bem vinda. São aquelas que trabalham em hospitais de referência para o tratamento da doença e para casais em que um dos parceiros está infectado. Aqui no Brasil, o remédio não existe, mas é possível utilizar os dois que o formam. A quantidade de comprimidos aumenta, mas o efeito seria o mesmo.

O Ministério da Saúde está discutindo se vai distribuir o remédio para as pessoas que fazem parte do grupo de alto risco. Atualmente, a única solução nesses casos é a ingestão de um coquetel antirretroviral nas quatro semanas seguintes à exposição ao vírus. Contudo, temos que ter um critério seletivo muito afiado e isso tem um custo muito alto.

Saiba mais

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

(Com agência France-Presse)