Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tentáculos políticos da JBS nos EUA incluem ex-número 3 do país

Republicano John Boehner, ex-presidente da Câmara dos Deputados entre 2011 e 2015, será conselheiro da companhia, de quem recebeu doações em quatro eleições

No início deste ano, a JBS anunciou que John Boehner será um dos quatro membros independentes do conselho da JBS Internacional, a companhia que será criada depois do lançamento de ações no mercado americano, o que estava previsto para ocorrer no segundo semestre. Presidente da Câmara dos Deputados de 2011 a 2015, um dos cargos mais importantes dos EUA – é o segundo na linha sucessória, atrás apenas do vice-presidente do país -, o ex-deputado recebeu doações da companhia nas disputas eleitorais de 2008, 2010, 2012 e 2014.

Os valores são mínimos quando comparados aos do Brasil e sua origem não é o caixa da JBS, mas contribuições de seus executivos e funcionários. As empresas são proibidas de fazer doações diretas a candidatos no EUA. Para atuar nas eleições, elas criam Comitês de Ação Política (PAC, em inglês), que captam recursos entre seus empregados e repassam às campanhas.

Os limites para doações são estritos: no ano passado, indivíduos podiam doar US$ 5.400 (cerca de R$ 18 mil hoje) por candidato. Desde 2008, o JBS & Swift PAC destinou US$ 809 mil ao financiamento de campanhas eleitorais, valor conservador para grandes empresas nos EUA. O republicano Boehner recebeu US$ 5 mil em 2008, US$ 7,5 mil em 2010 e US$ 5 mil em 2012 e 2013. No Brasil, a JBS doou a políticos cerca de R$ 450 milhões nas eleições de 2014, apenas no caixa oficial – há suspeitas de contribuições também no caixa 2.

O cientista político Mark Langevin, professor da Escola Elliott de Estudos Internacionais da Universidade George Washington, afirmou que o mais importante do PAC não é o dinheiro, mas a rede de apoio e relações que ele cria para o candidato.

Ao longo dos anos, a JBS concentrou suas contribuições em candidatos republicanos. Em 2008, integrantes do partido receberam 82% dos US$ 87.500 doados. No ano passado, o porcentual foi de 90%. O parlamentar que mais recebeu recursos do PAC da JBS desde 2008 foi Adrian Smith, de Nebraska que tem o setor agropecuário entre suas prioridades. No período, os funcionários da empresa destinaram US$ 37 mil a suas campanhas.

Em seguida, aparecem dois congressistas do Colorado, estado que concentra os negócios da JBS nos EUA. O republicano Cory Gardner recebeu US$ 19 mil, enquanto a doação para o democrata Michael Bennett foi de US$ 14.500.

Brechas

Decisões adotadas pelo Judiciário dos EUA no início dessa década ampliaram a possibilidade de empresas atuarem nas eleições e destinarem recursos para campanhas de maneira indireta. O principal canal para isso são os Super PACs, que podem receber recursos ilimitados de pessoas jurídicas. Apesar de não poderem doar diretamente para o candidato, eles podem usar os recursos em publicidade a seu favor e contra seus adversários e na promoção de causas identificadas com ele.

O Judiciário também abriu uma porta para empresas contribuírem sem se identificar, usando doações a entidades sociais que depois repassam recursos para campanhas.

Apesar das brechas, o economista Maurício Moura, do Ideia Big Data, afirmou que a prática do caixa 2 é algo improvável nos EUA. “No Brasil, por causa dos limites, as campanhas escondem quanto arrecadam. Aqui, quem arrecada mais é visto como vitorioso”, observou Moura, que faz pesquisas para campanhas no Brasil e em outros países da América Latina.

Os valores gastos nos EUA são astronômicos. No ano passado, a eleição presidencial custou US$ 2,387 bilhões. Na disputa para o Congresso foram gastos US$ 4,058 bilhões, um total de US$ 6,472 bilhões.

(Com Estadão Conteúdo)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    Na Terra de Malboro
    , com a faca na mão
    $UjA

    Curtir

  2. Os EUA sendo EUA. Coniventes com a corrupção, afinal eles foram muito beneficiados com ela. Corrupção é uma doença mundial.

    Curtir

  3. Carlos Bandeira

    Robert você não sabe ou não tem conhecimento das leis americanas (RICO) com respeito a corrupção. O partido democrata tem mais tendência à corrupção, desde que esteja no poder. Se a JBS tinha domicilio legal nos EUA, a doação política não seria ilegal. Falo assim porque moro aqui há 36 anos, portanto eu sei o que estou falando.

    Curtir

  4. Rogério Roberval

    VEjA tentando sujar Trump com doações legais para um ex-senador republicano no valor de US$17 mil . Ah Veja, vão dormir

    Curtir

  5. Gabriel Carneiro

    Será que na Europa também? O planeta Terra tá corrompido? Me lembrei do filme ” O homem que comprou o mundo”

    Curtir

  6. Lá vai ser dificil comprar o STF/JUDICIARI O

    Curtir