Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PF liga doleiro a assessor do governo de Roseana

Acompanhante de Alberto Youssef, preso na operação Lava-Jato, deixou uma caixa destinada a Milton Braga Durans, assessor da Casa Civil, na recepção de um hotel em São Luis. Encomenda foi deixada no mesmo dia em que o doleiro foi preso

A Polícia Federal (PF) apontou ligação entre o doleiro Alberto Youssef e um assessor especial da Casa Civil do Maranhão, nomeado pela governadora Roseana Sarney (PMDB), segundo informa o jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira. Youssef foi preso no dia 17 de março, apontado como um dos cabeças do esquema de lavagem de dinheiro que movimentou aproximadamente 10 bilhões de reais na Operação Lava-Jato, deflagrada pela PF.

No relatório dos investigadores, há relatos de que Youssef, no dia da prisão, acompanhava uma pessoa que deixou uma caixa para Milton Braga Durans na portaria do Hotel Luzeiros. Durans é assessor da Casa Civil maranhense desde agosto de 2013.

Segundo a PF, câmeras de segurança interna filmaram a chegada de Youssef e o acompanhante, identificado como Marco Antônio de Campos Ziegert, ao hotel na madrugada de 17 de março.

Durante a madrugada, às 3h29, Youssef foi até o quarto de Ziegert no 13º andar levando uma das duas malas pretas que havia trazido para o hotel e retornou sem ela para sua acomodação, “dando a entender que deixou a referida mala no quarto de Marco Ziegert”, segundo o relatório da polícia.

Depois disso, às 10h47, Ziegert deixa o hotel em um táxi com umas das malas pretas deixadas por Youssef. Mais tarde, às 15h30, Ziegert volta ao hotel sem nada nas mãos.

Neste momento, Ziegert deixa uma caixa na recepção do hotel, que, segundo a PF, deveria ser repassada ao assessor especial do governo de Roseana. De acordo com o Hotel Luzeiros, Braga Durans retirou a encomenda na recepção alguns dias depois. Quanto ao conteúdo da caixa, o advogado do doleiro, Antônio Figueiredo Basto, afirmou se tratar de uma caixa de vinho, um presente de Youssef para Durans.

Leia também:

Operação Lava-Jato: os nobres clientes do doleiro

Argôlo usou passagens da Câmara para encontrar doleiro

Doleiro Youssef prometeu cargo no ‘governo Padilha’

“Ele me disse: ‘não tem dinheiro nenhum, foi vinho que foi deixado lá’. Não disse o motivo de ter deixado a caixa. “‘Deixei para um cara que estava me ajudando com uns terrenos lá'”, afirmou o advogado de Youssef. Segundo Basto, o doleiro estava em São Luis à procura de terrenos para a construção de um hotel.

“É impossível querer dizer que não estivessem juntos. Agora, o objeto de estarem juntos não era corrupção de nenhuma autoridade”, afirmou o defensor do doleiro.

Não há, no entanto, descrição sobre a profissão ou conexões de Ziegert com o doleiro no documento da polícia. Basto também não deu informações sobre quem é Ziegert e qual é a relação dele com Youssef.