CCJ ao vivo: relator lê parecer sobre denúncia contra Temer

Expectativa da base aliada é de que relatório seja favorável à aceitação da denúncia contra o presidente; advogado de Temer faz defesa

Nesta segunda-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados se reúne para ouvir a leitura do parecer do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), favorável ao prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), com base nas delações premiadas do grupo JBS, a acusação imputa ao presidente o crime de corrupção passiva.

Confirmou-se a expectativa da base aliada de que Zveiter se colocasse contra a posição da defesa do presidente. Para o parlamentar, para a aceitação bastam indicativos dos fatos investigados. “Estamos diante de indícios suficientes de autoria e materialidade. A denúncia não é fantasiosa”, afirmou o deputado.

Após a leitura, o advogado de Michel Temer, Antonio Mariz, recebeu tempo para fazer sua defesa técnica – contestado, sem sucesso, pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ). Por fim, a oposição pedir vista por dois dias, com a sessão sendo retomada na quarta-feira. Sergio Zveiter se dirigiu ao defensor antes de negar uma das afirmações contidas na denúncia: “o senhor vai me desculpar, a denúncia não é inepta”.

Leia mais: Relator defende aceitação de denúncia contra Temer pela Câmara

Assista ao vivo a leitura do relatório de Sergio Zveiter:

Parlamentares contrários ao presidente, como Chico Alencar (PSOL-RJ), Major Olímpio (SD-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP) começaram a sessão apresentado questões de ordem, em que contestavam decisões do presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG). Na pauta, a não-convocação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e a permissão para alterações na composição da Comissão por líderes partidários alinhados ao governo.

Sergio Zveiter optou por iniciar a leitura do seu parecer elencando os principais argumentos da denúncia feita PGR e das alegações de defesa encaminhadas pelo presidente Michel Temer. Depois, começou a descrever seu parecer pessoal sobre a questão, em que elencou as razões que o levaram a considerar que o legislativo deve autorizar a abertura de processo, caso assim considere a análise técnica do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele ressaltou que à Câmara cabe um julgamento “predominantemente político”, não cabendo uma análise da denúncia a fins de condenação, apenas a observação das questões políticas de admissibilidade da ação. Portanto, a partir do princípio in dubio pro societate (na dúvida, a favor da sociedade), considera importante que as acusações sejam apuradas: “A presente acusação contra o presidente é grave. É necessária a investigação de fatos sob acusação”, argumentou.

Mariz iniciou sua defesa questionando uma frase que consta na denúncia apresentada inicialmente pela PGR, “o presidente recebeu 500.000 reais”. “Recebeu quanto e quando? Aonde? Em São Paulo ou em Pirituba? O presidente não recebeu um níquel sequer”, criticou.  O defensor também criticou a postura do Ministério Público, insinuando “intenções políticas inconfessáveis” e alegando que o órgão teria até “treinado” o empresário Joesley Batista para gravar “ilicitamente” Michel Temer.

Para o advogado, as alegações trouxeram um “nada acusatório”, que obrigou a Procuradoria a recorrer à “ficção”, formulando “hipóteses” para as partes em aberto da investigação. Na avaliação de Mariz, o crime de corrupção passiva requer três elementos: quem pagou, quem recebeu e qual foi a vantagem concedida. E que, no caso, não “estão presentes nenhum desses três elementos”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alguém duvida qual vai ser o resultado dessa palhaçada? nada vzs nada, só perda de tempo.

    Curtir

  2. Alguém duvida do resultado dessa palhaçada? nada vzs nada, pura perda de tempo.
    Ainda tem gente que acredita nisso.

    Curtir