Mais Lidas

  1. Processos contra Lula na Lava Jato chegam a Moro

    Brasil

    Processos contra Lula na Lava Jato chegam a Moro

  2. A peixaria de R$ 21 milhões usada na compra do jatinho de Campos

    Brasil

    A peixaria de R$ 21 milhões usada na compra do jatinho de Campos

  3. Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

    Entretenimento

    Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

  4. Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

    Entretenimento

    Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

  5. Justiça autoriza Dilma a usar aviões da FAB, desde que reembolse o Tesouro

    Brasil

    Justiça autoriza Dilma a usar aviões da FAB, desde que reembolse o...

  6. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  7. STF manda para Justiça de Brasília denúncia contra Lula

    Brasil

    STF manda para Justiça de Brasília denúncia contra Lula

  8. Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após viagem oficial com Lula à África

    Brasil

    Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após...

Lula usa cobertura comprada por primo de Bumlai

Imóvel em São Bernardo do Campo também foi alvo da 24ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na última sexta-feira

- Atualizado em

Ex-Presidente Luiz Inacio Lula da Silva acena para manifestantes no aeroporto de Congonhas em São Paulo (SP) na manhã desta sexta-feira (4)
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acena para manifestantes no aeroporto de Congonhas em São Paulo (SP) na manhã desta sexta-feira (4)(Nelson Almeida/AFP)

Morador da cobertura número 122 do edifico Hill House, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também usa o imóvel em frente ao dele, no número 121, que pertence a um primo do pecuarista José Carlos Bumlai. A propriedade foi alvo de busca e apreensão na 24ª fase da Operação Lava Jato depois que o síndico do prédio disse aos policiais federais que o apartamento pertencia ao petista. O ex-presidente é suspeito de ter ocultado patrimônio e ter recebido dinheiro de empresas envolvidas no escândalo de corrupção do petrolão.

O aposentado Glaucos da Costa Marques, primo de Bumlai, disse ao jornal O Estado de S. Paulo que a cobertura é usada por Lula desde seu primeiro mandato, em 2003. De acordo com ele, o PT pagou pelas despesas do imóvel até 2007, sob a justificativa de que era para guardar o acervo que ele doou ao partido. No segundo mandato, o governo assumiu os custos com a justificativa de que era necessário para a segurança do então presidente.

Leia mais:

Lula afirmou que só sairia de casa algemado, diz PF

Lula tinha poder para saber dos escândalos e comandá-los, diz MP

Glaucos nega que tenha comprado o imóvel a pedido de Bumlai, que é investigado na Operação Lava Jato por suspeita de contratar empréstimos simulados para beneficiar o PT e de ter bancado a reforma do sítio em Atibaia (SP), usado por Lula e sua família. O aposentado diz que adquiriu a propriedade por sugestão do advogado Roberto Teixeira, também investigado na Lava Jato por suspeita de ter atuado para ajudar Lula a ocultar o sítio.

O primo de Bumlai disse que adquiriu o imóvel por 500.000 reais e alugou para Lula por 4.300 reais mensais, pagos por transferências bancárias. No cartório, porém, o imóvel ainda é da antiga proprietária, Elenice Silva Campos, que faleceu em fevereiro do ano passado. Ela não tinha pago o imposto que permitiria a transferência do registro e, por isso, o caso está na Justiça.

Na última sexta-feira, quando foi deflagrada a mais nova fase da Lava Jato, que teve como principal alvo o ex-presidente Lula, a ex-primeira dama Marisa Letícia autorizou que a PF cumprisse os mandados judiciais em imóveis que não estavam em nome do casal, o que chamou a atenção dos policiais federais.

Em 2010, o aposentado emprestou o endereço de uma empresa que estava em seu nome, a Bilmaker 600, para que os filhos de Lula Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, e Luís Claudio Lula da Silva registrassem na Junta Comercial de São Paulo a holding LLCS no mesmo local. Na época, a Bilmaker era controlada por Glaucos, Otavio Ramos e Fabio Tsukamoto, que eram sócios de Luís Cláudio em outra empresa. Glaucos disse que fez o empréstimo do endereço atendendo a um pedido do primo Bumlai.

(Da redação)

TAGs:
Lula
Operação Lava Jato