UE multa Facebook por informações enganosas na compra do WhatsApp

A rede social disse que não relacionaria as contas de usuários dos dois serviços, mas iniciou a prática dois anos depois

O órgão antitruste da União Europeia (UE) multou nesta quinta-feira o Facebook em 110 milhões de euros (cerca de 383,8 milhões de reais) por fornecer informações incorretas ou enganar autoridades na aquisição do aplicativo de mensagens WhatsApp, em 2014.

Segundo a UE, a empresa de Mark Zuckerberg alegou de forma imprecisa que não tinha como relacionar contas do Facebook e do WhatsApp, algo que começaram a fazer dois anos depois, ao combinar os dados de usuários nos dois serviços. A rede social, porém, alega que os erros não foram intencionais.

“A decisão de hoje envia um claro sinal às empresas de que devem cumprir todos os aspectos da regulamentação da UE para fusões, incluindo a obrigação de apresentar informações corretas”, afirmou a comissária europeia para concorrência do bloco europeu, Margrethe Vestager, em comunicado. Em resposta à multa, o Facebook declarou em nota que agiu “de boa fé desde as primeiras interações com a Comissão [Europeia]” e buscou “fornecer informações precisas a cada entrega”.

A UE abriu uma investigação formal sobre a fusão em dezembro do ano passado e poderia ter optado por cobrar mais que o dobro da multa. Segundo as regras da Comissão, empresas podem ser multadas em até 1% de seu lucro anual, o que para o Facebook seria 276 milhões de dólares (cerca de 865,8 milhões de reais). O bloco, porém, disse ter levado em conta a cooperação da empresa no processo.

Não é a primeira vez que o Facebook tem problemas com autoridades europeias por causa da fusão. O órgão antitruste italiano multou o WhatsApp, na semana passada, em 3 milhões de euros (10,4 milhões de reais) por obrigar usuários a concordarem em compartilhar dados com a rede social de Zuckerberg.

(Com Estadão Conteúdo)