Quem é quem na família Kim, o núcleo de poder da Coreia do Norte

Ditadores, suas esposas e filhos têm poder irrestrito no país mais fechado do mundo – os que saem da linha, porém, sofrem as consequências

Há três gerações e quase 70 anos de poder, a dinastia Kim comanda com punho de ferro a Coreia do Norte. Vistos como os ditadores cruéis que são pelo resto do mundo, os membros da família forjam uma imagem divina no isolado país – nasceram em locais sagrados, são esportistas exímios e sequer vão ao banheiro.

Relatórios conseguidos pela imprensa da Coreia do Sul mostram que as crianças norte-coreanas dedicam 648 horas do ensino fundamental a estudar as proezas dos Kim. Segundo as aulas, Kim Jong-Il, o segundo ditador, inventou o hambúrguer e foi um ícone de moda copiado internacionalmente. As brigas e traições familiares, claro, são apagadas pelo regime: há inúmeras amantes, tentativas de fuga, execuções e até parentes que casualmente desapareceram da história.

É difícil saber com clareza quem são os descendentes de Kim Jong-il. Além do país ser extremamente fechado, segredos da dinastia raramente vazam na controlada imprensa. Ao longo dos anos, porém, algumas figuras adquiram status de poder e foram levadas a público, enquanto outras foram reveladas por fugitivos, como o meio irmão do tirano Kim Jong-un, Kim Jong-nam, assassinado em fevereiro.

Conheça algumas das figuras importante da família Kim – e suas polêmicas:

Kim Il-sung, o fundador

 

Kim Il Sung, o "Grande líder" da Coreia do Norte

Kim Il-sung, o “grande líder” da Coreia do Norte (Adriano Alecchi/Getty Images)

Conhecido como o “grande líder” ou o “presidente eterno”, Kim Il-Sung foi o fundador do regime ditatorial da Coreia do Norte e comandou o país desde 1948 – época em que foi dividido entre o sul, alinhado com os Estados Unidos, e o norte soviético – até sua morte em 1994. O ditador nasceu em uma ocupação japonesa em Mangyungbong, no território norte-coreano, sob o nome de Kim Song-ju.

Na juventude, Kim fundou grupos de oposição ao imperialismo do Japão e se juntou ao Partido Comunista da China. Registros estatais apontam que, quando lutava na guerrilha anti-japonesa, mudou seu nome para Kim Il-sung, algo como “Kim se torna o sol”. Após anos no comando de batalhas em favor do regime soviético, Kim foi indicado pelo ditador Josef Stalin para mandar no novo país, que surgia com a separação das Coreias.

O culto à personalidade do ditador ainda é amplamente divulgado na imprensa e nas escolas, que contam com os “Institutos de Pesquisa Kim Il-sung”, e há mais de 500 estátuas suas pelo país.

Kim Jung-suk, a “esposa perfeita”

Kim Jung Suk, esposa de Kim Il Sung

Kim Jung-suk, esposa de Kim Il-sung (Reprodução/Reprodução)

Também parte da guerrilha anti-japonesa, Kim Jung-suk é divulgada como a “perfeita esposa comunista” pelo regime norte-coreano e teria conhecido e casado com Kim Il-sung na União Soviética. A história oficial conta que tinha extraordinárias habilidades de guerra, mas que também dedicava sua vida a cuidar do marido ditador – a não oficial diz que sofria com depressão e com a infidelidade do cônjuge.

A morte da primeira esposa de Kim Il-Sung, aos 29 anos, também é cercada de informações incertas. Na biografia oficial, divulgada pelo regime, se explica apenas que faleceu pelas “durezas que enfrentou durante os anos como guerrilheira”. Relatos não confirmados pela família apontam que morreu no parto de um bebê natimorto ou até que foi baleada.

Kim Jong-il, o “querido líder” fashion

Kim Jong-Il, o "Querido líder" da Coreia do Norte

Kim Jong-il, o “querido líder” da Coreia do Norte (Pool/Getty Images)

Sucessor do pai na dinastia, Kim Jong-il foi a figura mais venerada (e falsificada) pelos propagandistas do regime, entre 1994 e sua morte. Apesar de registros soviéticos mostrarem que nasceu em um vilarejo da Sibéria, sua biografia oficial relata um nascimento mágico no sagrado Monte Paektu, com direito a arco-íris, uma nova estrela no céu e mudança repentina nas estações.

As invenções sobre seus feitos incluem habilidades intelectuais e esportivas. Na imprensa estatal, se diz que Kim fez 11 hole-in-ones na primeira vez que jogou golfe, escreveu 1.500 livros durante a faculdade e inventou o hambúrguer. Em 2010, o jornal do regime Rodong Sinmun noticiou que o ditador também se tornara um ícone fashion ao redor do mundo com seu modelito clássico, uma espécie de abrigo marrom. Kim, porém, está longe de ser querido no ocidente e sua falha administração econômica levou o país a uma terrível crise fome entre 1994 e 1998, que pode ter matado até 3,5 milhões de pessoas.

Obsessivo por cinema, Jong-il tinha uma coleção de mais de 20.000 fitas. A fixação chegou a tal ponto que mandou sequestrar Shin Sang-ok, diretor sul-coreano, e sua esposa, a atriz Choi Eun-hee, para fomentar a indústria do entretenimento da Coreia do Norte. Eles fizeram sete filmes até escaparem do país, oito anos depois.

Ko Young-hee, a “mãe de Pyongyang”

Ko Young-hee esposa de Kim Jong Il

Ko Young-hee esposa de Kim Jong-il (Foto/Reprodução)

Nascida no Japão, mas com ancestrais coreanos, Ko Young-hee era a esposa oficial de Kim Jong-il e mãe do atual ditador, Kim Jong-un. Sua história está entre as mais escondidas pelo regime, por causa da herança japonesa – essa característica a colocaria na escória da sociedade comunista. Apesar de suas origens serem de conhecimento geral, elas não podem ser discutidas entre os cidadãos. O título oficial usado pelos propagandistas para se referir Ko é “a respeitada mãe que é o sujeito mais fiel e leal ao querido líder companheiro comandante supremo”, resumido eventualmente para “mãe de Pyongyang”. Ela faleceu em decorrência de um câncer, em 2004, aos 51 anos, após tentar tratamento em Paris.

Sua irmã, Ko Young-suk vive exilada em Nova York com o marido e os três filhos desde 1998, onde tem uma lavanderia. Foi ela quem criou Kim Jong-un na pré-adolescência, quando o acompanhou para que fosse estudar na Suíça. A família evita revelar os motivos para a fuga, mas defende que foi uma tentativa de encontrar tratamento para o câncer de Ko Young-hee.

Kim Kyong-hui, a tia poderosa

Kim Kyong Hui, irmã de Kim Jong Il

Kim Kyong-hui, irmã de Kim Jong-il (Reprodução/Reprodução)

É a irmã caçula de Kim Jong-il, única filha mulher de Kim Il-sung e Kim Jung-suk (o casal ainda teve outro filho, do meio, que morreu afogado na infância). Confidente do irmão, foi figura presente no regime e a única a ter contato direto com a liderança. Ela também auxiliou o sobrinho quando assumiu o comando da nação, em 2011, e foi descrita como a segunda figura mais poderosa do país.

A participação da tia na política norte-coreana praticamente acabou após a execução do marido, Jang Song-thaek, em 2013. Com o desaparecimento dos holofotes, a imprensa internacional noticiou sua morte algumas vezes, com especulações de infarto e suicídio. Em 2015, um desertor próximo ao regime declarou também que Kim Jong-un mandou auxiliares envenenarem a tia. A inteligência sul-coreana, porém, confirmou que ela está viva, mas possa por tratamentos médicos.

Curiosamente, Kyong-hui é dona do único restaurante de hambúrguer do país, descrito como “carne moída e pão”, para evitar o uso da palavra americana. Ela teve uma filha com Jang que se suicidou aos 29 anos, quando estudava em Paris.

Jang Song-thaek, o traidor

Jang Song Taek, marido de Kim Kyong Hui

Jang Song-taek, marido de Kim Kyong-hui (AP/AP)

Vice-presidente da poderosa Comissão de Defesa Nacional da Coreia do Norte, Jang estava apenas abaixo de Kim Jong-il na hierarquia vermelha e quase comandava o país no fim de sua vida. O cenário mudou quando Kim Jong-un assumiu o posto e precisou ouvir os conselhos do tio.

Em 2013, o jovem tirano expulsou Jang do Partido dos Trabalhadores e, dias depois, mandou que fosse executado sob acusações de traição. Em comunicado, o ex-assessor foi chamado de  “escória humana, pior que cachorro”, por ter supostamente formado uma facção contra o regime.

Song Hye-rim, a amante fugitiva

Song Hye Rim, amante de Kim Jong Il

Song Hye-rim, amante de Kim Jong-il (Reprodução/Reprodução)

Uma das primeiras atrizes famosas da Coreia do Norte, Song Hye-rim fascinou o ditador aficionado por cinema, Kim Jong-il, e se tornou sua amante favorita. O casal chegou a morar junto em segredo e o duradouro caso resultou no nascimento de Kim Jong-nam, em 1971 – rejeitado pelo avô por anos. Na década de 80, Song viajou à Rússia para tratamentos médicos e fugiu de vez para o país após a queda da União Soviética. Sua melhor amiga, Kim Young-soon, ficou nove anos presa em um campo de trabalhos forçados, assim como seus familiares, por ter revelado o caso de Song e o ditador. A atriz morreu em 2004, em Moscou.

Kim Jong-nam, o filho renegado

Kim Jong Nam, irmão de Kim Jong Un e filho de Kim Jong Il com Song Hye Rim

Kim Jong-nam, irmão de Kim Jong-un e filho de Kim Jong-il com Song Hye-rim (Toshifumi Kitamura/AFP)

O membro mais falado da dinastia norte-coreana em 2017 é Kim Jong-nam, fruto da relação de Kim Jong-il com sua amante atriz. Apesar de ser escondido na infância, o primogênito caiu nas graças do pai e foi considerado como o melhor posicionado para substituí-lo. A preferência acabou em 2001, ao ser detido no aeroporto de Tóquio com um passaporte falso, que pretendia usar para visitar a Disneylândia japonesa. Jong-nam, sempre mais liberal pelos anos de estudo na Europa, se mudou para a China em 1995 e vivia desde então entre Pequim e Macau, na Malásia, amparado pelo governo chinês. Ele foi assassinado na capital malaia em fevereiro deste ano, por meio de um agente químico, em ação que o governo sul-coreano acredita ter sido ordenada pelo regime.

Kim Han-sol, o herdeiro mente aberta

Kim Han Sol, filho de Kim Jong Nam

Kim Han-sol, filho de Kim Jong-nam (Reprodução/Reprodução)

Nascido em 1995, o filho de Kim Jong-nam viveu em Pyongyang durante a infância, até seu pai ser rejeitado pelo regime e levar a família para viver em Macau. Ao longo da juventude, Han-sol deu entrevistas em que chamou o tio de “ditador”, disse desejar paz entre as Coreias e contou ter diversos amigos americanos. Segundo a rede BBC, ele estudou na Bósnia-Herzegovina, em Paris e estaria com planos para ir à Universidade de Oxford antes da morte do pai. Depois do incidente, apareceu em um vídeo na internet onde diz estar seguro, junto à irmã e à mãe.

Kim Jong-un, o “líder supremo”

Kim Jong-un, o "líder-supremo" da Coreia do Norte

Kim Jong-un, o “líder-supremo” da Coreia do Norte (Damir Sagolj/Reuters)

Era difícil imaginar que Kim Jong-un poderia ser mais brutal que o pai, porém, aos 33 anos e há seis no poder, o atual ditador mostrou sua personalidade histriônica e cruel. O mimado filho mais novo não era o sucessor esperado do regime, mas foi o único a não decepcionar o pai. Sobre seu hobbies, se sabe que é fã da Disney e visitou os parques de Tóquio e Paris na infância, além de amar o basquete americano.

Desde que assumiu o poder, Jong-un já ordenou 340 assassinatos, inclusive do próprio tio e, possivelmente, do irmão. Recentemente, o desenvolvimento do programa nuclear do país também tem acirrado a relação com os vizinhos do sul e os Estados Unidos.

Menos carismático que Kim Jong-il, para os padrões coreanos, os propagandistas do regime têm se dedicado incessantemente a cultuá-lo em escolas e na imprensa. Os mitos incluem que teria começado a dirigir aos três anos de idade e escreveu seis óperas completas em dois anos, “melhores que qualquer outra na história”, segundo sua biografia oficial.

Ri Sol-ju, a esposa invisível

Ri Sol Ju, esposa de Kim Jong Un

Ri Sol-ju, esposa de Kim Jong-un (Foto/Reuters)

Com os olhos do mundo focado em Kim Jong-un, pouco se sabe sobre sua mulher, apresentada à imprensa em 2012. Ri Sol-ju, de 27 anos, foi membro da Orquestra Unhasu e é filha de uma médica e um professor. Ela nunca aparece sozinha em frente às câmeras e raramente está presente ao lado do marido em eventos oficiais, por isso, é frequentemente alvo de especulações de morte ou fuga. Em 2013, o jogador de basquete americano Dennis Rodman, amigo do ditador, deixou escapar que o casal teve uma filha chamada Ju-ae.

Kim Jong-chul, o playboy

Kim Jong Chul, filho de Kim Jong Il com Ko Young Hee

Kim Jong-chul, filho de Kim Jong-il com Ko Young-hee (Ahn Young-joon/AP)

Filho mais velho de Kim Jong-il com a esposa oficial, Kim Jong-chul foi superado pelo irmão mais novo como sucessor por ser “afeminado demais”, segundo relatos de um ex-chef de cozinha da dinastia. Ao contrário dos cidadãos do país, ele viaja ao exterior para assistir a shows e mantém uma vida repleta de entretenimento. Sua grande paixão é o músico Eric Clapton: em 2015, foi a dois concertos em Londres, além de outro em Cingapura, em 2011, e quatro na Alemanha, em 2006. Jong-chul é a representação dos privilégios da família de ditadores: quase toda música ocidental é proibida aos norte-coreanos, mas não aos Kim.

Kim Yo-jong, a propagandista

Kim Yo-jong, filha de Kim Jong Il com Ko Young Hee

Kim Yo-jong, filha de Kim Jong-il com Ko Young-hee (KCNA/AFP)

Oficial sênior do regime comunista, aos 29 anos, a irmã caçula do ditador norte-coreano é um dos nomes mais influentes da Coreia do Norte. Assim como os homens da família, estudou na Suíça e ganhou notoriedade no funeral do avô, quando apareceu à frente de homenagens e como braço direito do irmão. Desde 2015, ocupa o posto de chefe do Departamento de Propaganda e é responsável por convencer a população de cultuar Kim Jong-un. Yo-jong é casada há três anos com um filho de Choe Ryong-hae, considerado o número três do regime.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Gente doente que deveria ser extirpada da face da terra. O que estão esperando para fazer com essa família o que fizeram com Sadam Hussein e Ozama Bin Laden? Aliás, perto dessa família, eles eram anjinhos.

    Curtir

  2. Esse é o PT da koréa do norte.Até a adoraçao ao lider é parecida

    Curtir

  3. Eles são meros fantoches com nenhum poder real.

    Curtir

  4. Marcelo Araújo

    Esse país de malucos daria um ótimo filme baseado na série “Além da Imaginação”.

    Curtir

  5. Sonia Tavares

    Então o sobrinho do Kim Jong-un é o Han Solo?

    Curtir

  6. O único nome possível do partido dessa dinastia tirana e sanguinária só podia ser um: PT.
    Lá ainda não nasceu uma Lava-Jato. Os comunistas matam no ninho.

    Curtir

  7. Credo, que confusão, dá nó na cabeça de qualquer um.

    Curtir