Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro passa por saia justa ao usar certidão inválida para votar

Aparelho que registra a presença de eleitores na Assembleia Constituinte apontou um erro ao ler a cédula de identidade do presidente venezuelano

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, passou vergonha ao votar na Assembleia Constituinte que convocou para este domingo. O chavista, que fazia um discurso para conclamar as pessoas a irem às urnas, teve a sua cédula de identidade rejeitada pelo aparelho que comprova a presença dos eleitores. O sistema eletrônico indicou que o cartão pertencia a uma pessoa inexistente ou que o registro estava expirado.

A saia justa foi transmitida ao vivo pela rede de televisão nacional. Maduro disse que faria o registro “para ficar marcado por toda a vida” como um eleitor da Constituinte. Uma funcionária do governo, então, se aproximou para ler o chip da cédula de identidade do presidente. A transmissão focou na tela do aparelho, que transmitiu a mensagem: “a pessoa não existe ou o cartão foi anulado”.

Maduro, que não percebeu a gafe, perguntou se o processo estava concluído. A funcionária fingiu que nada havia acontecido e sinalizou positivamente.

O deslize de Maduro foi um prato cheio para a oposição. Como o voto na Venezuela não é obrigatório, há o temor de que o governo chavista poderá usar as informações dos cartões de identidade — chamados de carnê da pátria — para cancelar os benefícios sociais de quem se ausentar do pleito. Funcionários públicos também sofreram ameaças de que seriam demitidos caso não votassem na Constituinte.

O opositor Julio Borges, presidente da Assembleia Nacional, usou a gafe para convocar a população para novos protestos. “Querem te fazer crer que o cartão funciona para te controlar, mas o sistema não funciona nem com Maduro. Não se intimidem”, postou o político no Twitter.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. REGIME PETISTA ALGUEM QUER NO BRASIL

    Curtir