Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Constituinte de Maduro é repudiada pela comunidade internacional

Colômbia, Canadá, Argentina, Panamá e Peru já anunciaram que não vão reconhecer a votação na Venezuela

Por Da redação
Atualizado em 30 jul 2017, 22h31 - Publicado em 30 jul 2017, 21h15

Colômbia, Costa RicaCanadá, ArgentinaPanamá e Peru anunciaram que não vão reconhecer a Constituinte de Maduro. Já o Brasil divulgou uma nota na qual lamenta a decisão do governo venezuelano de ter seguido adiante com os planos de realizar a votação, rejeitada pela maioria dos cidadãos.

No comunicado, o governo brasileiro diz que a convocação das eleições é uma confirmação da “ruptura da ordem constitucional” na Venezuela.

As autoridades brasileiras também manifestam “grave preocupação” com a situação na Venezuela e “repúdio à violenta repressão” por parte das forças oficias do país vizinho. O Itamaraty lamentou que Maduro tenha rejeitado os pleitos da comunidade internacional pelo cancelamento da convocação de uma Constituinte. “A iniciativa do governo de Nicolás Maduro viola o direito ao sufrágio universal, desrespeita o princípio da soberania popular e confirma a ruptura da ordem constitucional na Venezuela”, diz a nota.

“A Venezuela dispõe de uma Assembleia Nacional legitimamente eleita. Empossada, a nova Assembleia Constituinte formaria uma ordem constitucional paralela, não reconhecida pela população, agravando ainda mais o impasse institucional que paralisa a Venezuela”, acrescentou o Itamaraty.

“O governo brasileiro condena o cerceamento do direito constitucional à livre manifestação e repudia a violenta repressão por parte das forças do Estado e de grupos paramilitares, como a que aconteceu ao longo do dia de hoje”, disse o Itamaraty.

Continua após a publicidade

Diante da gravidade do momento histórico, o Brasil fez um apelo às autoridades venezuelanas para que se disponham ao diálogo com a sociedade de seu próprio país, para pavimentar o caminho que conduza a uma transição política pacífica e para restaurar a ordem democrática, a independência dos poderes e o respeito aos direitos humanos.

Leopoldo López pede ao mundo que rejeite Constituinte

Em prisão domiciliar, o líder opositor venezuelano Leopoldo López fez um apelo à comunidade internacional neste domingo, 30, para que não reconheça a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro.

Em mensagens divulgadas no Twitter, López pediu aos “democratas do mundo” que não deem legitimidade à Constituinte – “assim como fez o povo venezuelano”. Ele também denunciou uma “brutal repressão” das forças de segurança contra manifestantes da oposição.

Continua após a publicidade

“Alertamos a comunidade internacional sobre a repressão brutal e sobre o assassinato de venezuelanos em protestos pacíficos (…). Hoje acontece a maior fraude da nossa história: ilegítima, inconstitucional, eleitoralmente viciada e em meio a uma repressão brutal”, denunciou.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.