Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Coreia do Norte executa oficiais por “ameaça” a Kim Jong-un

Um ex-ministro ministro da agricultura e um funcionário do Ministério da Educação foram assassinados com tiros de bateria antiaérea

O regime da Coreia do Norte voltou a executar publicamente funcionários vistos como uma “ameaça” à autoridade do ditador Kim Jong-un, com a morte de dois oficiais de alto escalão. De acordo com o jornal sul-coreano JoongAng Ilbo, o ex-ministro da agricultura Hwang Min e o funcionário do Ministério da Educação Ri Yong-jin foram assassinados no início do mês, com tiros de baterias antiaéreas, em uma academia militar em Pyongyang.

Segundo a publicação, Yong-jin foi executado por ter caído no sono durante uma reunião presidida por Kim Jong-un. Já Hwang foi culpado por propor políticas vistas como uma afronta ao ditador. O jornal afirmou que os relatos foram feitos por uma “fonte secreta” na Coreia do Norte, com “conhecimento especial” sobre o regime.

Leia também:
Coreia do Norte ameaça ‘reduzir a cinzas’ forças dos EUA
Diplomata norte-coreano em Londres fugiu para a Coreia do Sul
Conheça o Manbang, o ‘Netflix da Coreia do Norte’

As novas execuções são semelhantes a outros casos de assassinatos encomendados por Kim Jong-un desde que assumiu o posto de seu pai, há 5 anos. Em abril do ano passado, Hyon Yong-chol, ex-ministro da Defesa, foi executado por dormir durante um evento militar que contava com a presença de Kim. Até mesmo o tio do ditador, Jang Song-thaek, foi executado por uma suposta traição ao governo norte-coreano, em 2013.

As duas mortes do mês passado parecem ser um alerta do governo a seus oficiais, após a fuga de Thae Yong-ho, funcionário da embaixada da Coreia do Norte em Londres, que pediu asilo na Coreia do Sul. O regime do ditador chamou Thae de “escória humana” e afirmou que ele estava tentando escapar de punições por ter vendido segredos de Estado e abusado de um menor de idade.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gostaria de ver o mesmo sistema aqui no Brasil, não ia sobrar nenhum politico.

    Curtir

  2. Rodrigo Paulo

    Pediu asilo? Essas matérias ….

    Curtir

  3. Rodrigo Paulo

    É exílio e não “asilo”…

    Curtir

  4. O termo é mesmo pedir ASILO POLÍTICO (ABRIGO POLÍTICO); exílio diz respeito ao país tomar a iniciativa de expulsar um cidadão. Está certa a matéria.

    Curtir

  5. Diogo Querol

    A Dilma e o Lula queriam implantar o mesmo sistema aqui no Brasil. Felizmente o povo acordou a tempo!!!

    Curtir

  6. Lucas Santos

    Na verdade, asilo é um conceito latino americano, tanto é que no inglês o termo asylum tem o mesmo significado de refuge, então nesse caso seria asilo mesmo já que ele solicitou, no exílio seria involuntário, forçado.

    Curtir

  7. Renata R Araújo

    Diogo Querol n exagera. Menos.

    Curtir