IMPERDÍVEL: O perigo dos livros na ditadura militar

Obra 'Livros e Subversão - Seis Estudos' traz a luz casos de censura à literatura durante o regime militar brasileiro

Como todo regime autoritário, um dos primeiros passos da Ditadura Militar brasileira foi censurar a literatura, por seu alto poder de difusão de ideias. A investida da censura contra os livros no Brasil é tema da coletânea Livros e Subversão – Seis Estudos (Ateliê Editorial, 176 pags, 47 reais), organizado por Sandra Reimão.

Casos como o bombardeamento de uma livraria, a invasão de outra pela tropa de choque e a prisão de diversas pessoas pela posse de “literatura comunista” são esmiuçados ao longo da obra, uma cooperação de seis pesquisadores do tema embasados em documentos inéditos.

LEIA TAMBÉM
O teórico que assombra ditaduras

“Acreditamos que o conjunto dos textos que compõem este livro permite uma visão clara e ampla do sentido político e de intervenção social que a edição de livros tem, em especial em momentos nos quais as liberdades democráticas são atacadas”, promete a introdução da obra.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Agora, façam um estudo sobre como seriam os livros se o Brasil vivesse numa ditadura comunista de um partido só-Partido dos trabalhadores!

    Curtir