Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que os russos podem bater em suas esposas?

Uma lei permite aos homens usar a força dentro de casa. Eles só não podem deixar marcas ou quebrar ossos

Em fevereiro de 2017, o presidente russo Vladimir Putin sancionou uma lei, previamente aprovada pelo Congresso, que descriminaliza a violência doméstica.

Se um homem bater em sua esposa ou nas crianças, mas não deixar marcas ou não quebrar ossos, ele não é mandado para a prisão. Apenas precisa pagar uma multa ou praticar trabalho voluntário.

O sujeito só corre o risco de ir para atrás das grades se abusar mais de uma vez em menos de um ano. Para enquadrá-lo, contudo, é necessário que as vítimas colham as evidências necessárias para apresentá-las em uma corte.

A Rússia tem números bem tristes de violência doméstica. Um estudo de 2005 com 2200 pessoas em 50 cidades mostrou que 70% das russas sofriam algum tipo de violência — física, sexual, econômica ou psicológica — por parte de seus maridos.

O índice de homicídios de mulheres é de 6 para cada 100 000 habitantes. No Brasil, é de 4,4 para 100 000.

A Igreja Ortodoxa é parcialmente responsável por isso. Para seus adeptos, a força física conta com a aprovação de deus e é uma maneira de os pais orientarem suas esposas e filhos.

Quando a nova lei entrou em vigor, o padre Dmitry Smirnov, diretor da comissão do Patriarcado Ortodoxo para assuntos familiares, disse em um programa de televisão que a noção de que o governo pode se meter dentro dos lares e impedir a violência é um exemplo da má influência ocidental. Para ele, a privacidade dos cidadãos deve ser respeitada. “Algumas das coisas que estão acontecendo no norte da Europa agora são de tal modo que nem Hitler poderia sonhar com elas”, disse o religioso.

Outro fator é a tradição. Os russos sempre foram machistas. Mesmo na União Soviética, onde as mulheres foram estimuladas a ir trabalhar, elas tiveram de continuar com os afazeres domésticos. Os homens nunca as ajudaram dentro de casa.

Além disso, no período soviético, movimentos a favor das mulheres não foram permitidos, uma vez que isso poderia enfraquecer o conceito de classes sociais. Desde a Revolução Russa de 1917, a maior parte dos ganhos das mulheres aconteceu por decisões do Partido Comunista feitas de cima para baixo. Nunca foram o resultado de uma luta genuína das bases.

Veja também

Sobre o feminismo atual na Rússia, diz o historiador Angelo Segrillo, em seu livro Os Russos (Contexto): “Várias organizações defendem os direitos das mulheres, mas muitas russas são tradicionalistas e rejeitam o feminismo do tipo ocidental. Testemunhei o feriado do Dia das Mulheres (8 de março) sendo comemorado com discursos que exaltavam, em sua maioria, o papel das mulheres como mãe! Nesse dia, as mulheres recebem flores dos homens”.

O problema disso é que, quando o comunismo acabou, não havia qualquer movimento feminista autêntico e com força suficiente para contrabalançar a ascensão da reacionária Igreja Ortodoxa.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Homem só bate em mulher porque não sabe que mulher se educa com estratégias sociais e não violência.
    As mulheres não querem obedecer os homens, mas querem obedecer a sociedade, por isso se deve usar estratégias sociais e nunca violência. Estratégias sociais dão um resultado 100% satisfatório sem nenhuma violência e acabam com as brigas de casais. os homens deveriam ser educados pelo estado para usar essas estratégias sociais. É admirável um governante antifeminista mais ele precisa ser mais estratégico, sou contra violencia , somente estratégias sociais funcionam.
    A moda é um exemplo de estratégia social.
    Se os homens soubessem usar estratégias sociais jamais bateriam em uma mulher, as reeducariam pela voz da sociedade.

    Curtir

  2. Napoleao Gomes

    É que elas bebem as vodkas deles…

    Curtir

  3. Ataíde Jorge de Oliveira

    NaChina, o marido bate um dia sim, o outro também. Ele não sabe p/q bate, mas a esposa sabe p/q apanha. Lei, p/q?

    Curtir

  4. geraldo bastos

    Mulher é bicho folgado, acha que pode encher a cara, acha que pode cornear o homem, acha que é igual ao homem, mas na verdade mulher é somente a poeira do homem. Por isso acho que se ela merecer deve sim tomar uns sacodes pra poder acordar pra vida. Nada de quebrar a cara delas , mas deixar um olho roxo pode.

    Curtir

  5. geraldo bastos

    Esse bicho é folgado mesmo. Tem que tomar uns sacodes pra voltar pro lugar de onde nunca deveriam ter saido

    Curtir

  6. geraldo bastos

    Olá Ricardo, boa noite. Ricardo se vc já chegou em casa, tira a calça comprida e coloque um vestido. Mulher se precisar tem sim que ter um corretivo, um olho roxo, um dente quebrado; mas não pode passar disso

    Curtir

  7. Russia é um mundo à parte, igual o Brazil, contando ninguem acredita.

    Curtir

  8. Não me espanta vindo do país que teve o exército que mais estuprou mulheres na segunda guerra mundial. Simplesmente estupraram todas desde as meninas de 8 anos até as senhoras de 80 anos. A média de estupros da mulheres de Berlin era de 20 sofridos por cada uma. É claro, que assim como o massacre de Katyn, a Rússia nunca admitiu isso, nunca puniu ninguém, e nem foi cobrada pelos aliados. Mas nem acho isso o pior. O que me espanta mesmo é a Igreja Ortodoxa Russa aprovar esses abusos contra as mulheres e crianças em nome de Deus.

    Curtir