Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

A Justiça Burlesca

A tentativa frustrada de libertar o ex-presidente Lula expõe o comportamento errático do Judiciário brasileiro

Por Da Redação - 13 jul 2018, 17h50

Numa das mãos, a estátua da Justiça segura a balança, símbolo do equilíbrio. Na outra, um ioiô. Um dos muitos memes que circularam pela internet depois da sequência de acontecimentos provocada pela tentativa frustrada de petistas de libertar o ex-presidente Lula, o desenho reflete a perigosa imagem que a Justiça está consolidando.

O episódio do ioiô refere-se ao “lula- preso-lula-solto”, deflagrado pelo desembargador Rogério Favreto no domingo 8. Pode ter sido o evento mais ridículo protagonizado pela Justiça, mas está longe de ser o único.

Em agosto passado, num período de menos de 24 horas, o empresário Jacob Barata, do ramo de transporte rodoviário no Rio de Janeiro, foi solto, depois foi preso e depois foi solto novamente. Há divergências intestinas dentro de um único tribunal – como o Supremo Tribunal Federal (STF), cujas turmas tomam decisões diametralmente opostas – e divergências igualmente viscerais entre tribunais diferentes.

 

Publicidade