Clique e assine a partir de 8,90/mês

Boris Fausto: ‘PT sem Lula é capenga; PSDB sem FHC é mais ainda’

Historiador diz haver risco do Brasil cair numa ditadura pelo perfil de extrema-direita de Bolsonaro e a falta de nomes que ressoem a defesa da democracia

Por Denise Chrispim Marin, Da Redação - 17 mar 2020, 13h30

O historiador Boris Fausto pode até antever – e querer – um país bem menos desigual e “odiento” em 2031, quando completará 100 anos de idade. Mas neste momento, aos 89, afirma haver risco real de o Brasil recair em uma ditadura em razão da personalidade autoritária que preside o país e da falta de líderes que, com ressonância na população, encarnem a defesa da democracia. Fausto não tem dúvidas sobre o perfil de extrema-direita do presidente Jair Bolsonaro. Mas ainda espera que as contínuas reações de vários setores, entre os quais o cultural, impeça essa “descida do país aos infernos”.

Em entrevista a Amarelas em Vídeo, o estudioso que detalhou a história do Brasil desde a colônia aos tempos modernos e que escreveu clássicos como A Revolução de 1930, explica a vitória eleitoral de Bolsonaro e avalia que nenhum outro presidente, “nem de longe”, se assemelha a ele. Registra a parcela de responsabilidade do PT nessa ascensão da extrema-direita, mas também é duro com relação ao destino político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem não vislumbra outra vez no Palácio do Planalto, e de seu partido. 

“O PT sem Lula é capenga de uma das pernas”, afirma, para em seguida enfatizar que o tucanato sem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso “é mais ainda”. “O PSDB, como foi criado, não existe mais.”

Boris Fausto comenta as novas lideranças claramente engajadas na campanha presidencial de 2022 como alternativas a Bolsonaro. Também fala de sua guinada literária ou jornalística nos últimos anos, com obras como O Crime da Galeria de Cristal, que marcou seu encontro com Albertina, um personagem real polêmico entre os paulistanos no início do século XX.  

Continua após a publicidade
Publicidade