Group 21 Copy 4 Created with Sketch.
A Origem dos Bytes com Filipe Vilicic

Por que a ficção científica voltou à moda?

A Origem dos Bytes explica como a ficção científica voltou aos holofotes depois de um período de desanimo no progresso tecnológico

Neste episódio do programa semanal A Origem dos Bytes, o editor Filipe Vilicic, também titular de blog homônimo em VEJA, esclarece como a ficção cientifica foi resgatada na cultura pop para discutir sobre os avanços da tecnologia nos tempos atuais.

Qual foi o papel da internet nisso? A tecnologia virou um assunto das massas? Como a inteligência artificial deu asas a imaginação de roteiristas de hollywood? Confira respostas no vídeo acima.

Caso tenha ideias de temas, debates e entrevistados para o ‘A Origem dos Bytes’, envie-as por meio dos perfis públicos de Vilicic nas redes sociais (Twitter, Facebook e Instagram).

Notícias sobre
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Jorge Luís dos Santos

    Prezado Felipe Vilicic, toda prosa volta-se, sobretudo e fundamentalmente, ao mundo do entretenimento. (Nada contra!) Mas, tendo os pés no chão, a inclinação para a ficção científica propalada, tem outra razão: a realidade cotidiana está cada vez mais insuportável e hostil. O conhecimento, que para Karl Popper, tem sua contínua evolução sobre aquele que preexiste, não corresponde na melhoria da sociedade humana, necessariamente. Assim, é preciso evadir-se, fugir da realidade, cada vez mais irracional e corrupta, para “novos horizontes”. A imaginação sadia, como sabemos, é uma propriedade da inteligência. Sem se sair da Terra, com o conhecimento e capacidades já elaboradas, o homem teria todos os subsídios para não pensar no universo, mas o que poderia fazer de melhor sobre a Terra. Enfim, nos dias de hoje, o que mais se faz é se escapar do incômodo de viver a despida realidade que cada qual vive à sua maneira. O entretenimento é o narcótico de quem foge desta realidade,…e o mundo da Lua se torna uma atraente opção. Muito sucesso aí. Felicidades, Felipe! Obrigado! Jorge Luís

    Curtir