Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Steve Jobs, um sopro de inteligência no mercado de celulares

O iPhone estabeleceu um padrão ainda não superado para smartphones, animados por outra invenção da Apple: um pujante mercado de aplicativos

Por Sérgio Miranda
5 out 2011, 20h48

A Apple lançou o iPhone em 2007. O mundo da telefonia móvel nunca mais seria o mesmo. Em menos de quatro anos, a empresa saiu de zero para quase 4% do mercado mundial, deixando para trás a Motorola e seguindo de perto a LG, segundo dados do Gartner, especializado em análise de mercados, divulgados neste ano. Se a Nokia ainda é a maior (com a Samsung na cola) no segmento de celulares, no caso dos smartphones (aparelhos que se parecem mais com um computador de mão), a Apple é a segunda, perdendo apenas para os produtos com Android, o sistema operacional do Google (25,5% contra 34,7%, de acordo com a empresa comScore). Até o ano passado, a Apple reinava absoluta nesse mercado.

Fica mais fácil entender a força do iPhone quando se lembra que a empresa de Steve Jobs tem apenas um smartphone, que luta no mercado contra os demais fabricantes. E não é só isso: o Android, como sistema operacional, só existe porque o iOS chegou primeiro. É mais ou menos o que aconteceu com o Windows e o Mac OS na década de 1990. Mas a batalha ainda não está perdida para a Apple.

Jobs foi fundamental para a criação do iPhone. Na verdade, ele foi o responsável pelo projeto, depois do enorme fracasso do ROKR E1, desenvolvido em parceria com a Motorola. Com o apoio da operadora norte-americana Cingular (hoje AT&T), Jobs passou a desenvolver um aparelho que fosse do jeito que ele queria. A idéia era usar uma tela sensível ao toque, que acabou sendo atualizada para uma com multitoque (que aceita vários comandos ao mesmo tempo), sendo possível usar gestos como o de pinça para dar zoom em uma imagem. No dia da apresentação do primeiro modelo, 9 de janeiro de 2007, o público foi pego de surpresa, pois ninguém imaginava que o iPhone seria assim: muito mais do que um simples celular.

Em pouco mais de dois anos, todos os fabricantes de smartphones tentaram criar o “iPhone Killer”, um rival à altura. Ninguém conseguiu até o momento. Segundo uma pesquisa da ChanceWave feita recentemente, o iPhone é o sonho de consumo de 46% das pessoas interessadas em tecnologia nos EUA. Entre os consumidores que já compraram um, 70% estão muito satisfeitos.

O mercado de smartphones praticamente não existia. Na época, reinavam absolutos nessa área o Palm Treo, o Nokia N97 e os BlackBerrys, famosos pelo seu servidor de e-mails. Mas nenhum deles tinha um sistema prático de navegação pela internet. A tecnologia 3G ainda engatinhava. O Safari Mobile foi considerado na época o Santo Graal da internet móvel. Com ele, era possível acessar páginas da web do mesmo jeito que se fazia nos computadores. Em 2008, o crescimento deste mercado foi de 60%, chegando a 115 milhões de unidades vendidas. No seu primeiro ano, o iPhone chegou a ter 28% do total de vendas, perdendo apenas para a RIM, com 41%. Desde então, a Apple ultrapassou a empresa canadense.

Continua após a publicidade

Em vez de se deitar nos louros da vitória, a Apple continuou a aprimorar o iPhone. Na segunda geração, de 2008, o smartphone ganhou conexão 3G e seu maior diferencial, a App Store, uma loja de aplicativos nativos para o sistema operacional do iPhone (hoje, batizado de iOS). No dia do lançamento, eram 500 programas à disposição dos usuários. Atualmente, são mais de 500.000 aplicativos, que já produziram 15 bilhões de downloads. O Android Market, loja de software para os smartphones que rodam o sistema do Google, oferece 200.000 programas (no lançamento, em março de 2009, eram 2.300).

Ao lançar o iPhone 4, Steve Jobs conseguiu outro feito memorável. Logo no primeiro mês, o aparelho mostrou falhas na recepção do sinal. Muita gente reclamou e o episódio ganhou o nome de Antennagate, uma vez que o problema era atribuído à antena. A Apple veio a público. Jobs, com maestria, conseguiu provar que o problema existia em outros aparelhos, ou seja, não era exclusivo do iPhone. Para não irritar mais o público, ofereceu capinhas que atenuavam o problema no seu smartphone. Em poucos dias, o Antennagate morreu, como se nunca tivesse existido. E as vendas do iPhone 4 foram muito bem, obrigado. Neste trimestre, foram vendidos 20,34 milhões de unidades.

O mercado de aplicativos móveis foi praticamente inventado pela Apple. A App Store é um modelo de negócios como nenhum outro. Há casos de desenvolvedores independentes que ficaram milionários em poucos meses, como a Rovio, que criou o jogo Angry Birds. Praticamente na falência, a empresa se tornou um grande sucesso, com vendas superando os 200 milhões de downloads, a criação de uma franquia com a FOX e até uma série para TV e filme. Nada disso seria possível sem a App Store.

O iPhone e seus derivados (iPod touch e iPad) são atualmente a plataforma portátil para games mais popular do mundo, superando PSP, da Sony, e Nintendo DS. Nada mal para quem, há quatro anos, não era nada no mercado de telefonia móvel.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.