Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Primeiros usuários do Google Glass não poderão vender ou emprestar item

Em caso de descumprimento da regra, companhia desativará acessório e não reembolsará os 1.500 dólares pagos pelo gadget

Os 8.000 integrantes do programa Explorer, que poderão comprar a primeira versão do Google Glass, óculos conectados à internet que utilizam recursos da realidade aumentada, não poderão vender o acessório – ainda que tenham pago 1.500 dólares pelo item. O dispositivo será automaticamente bloqueado, caso a empresa detecte a quebra das regras impostas no período de testes.

Leia também:

Google Glass está a caminho, diz executivo da companhia

Sergey Brin passeia no metrô de NY com Google Glasses

Para pesquisador, Google Glass será extensão dos olhos

Google apresenta protótipo de óculos ‘inteligente’ em São Francisco

A condição, que aparece nos termos de venda do dispositivo, ganhou destaque depois que um homem da Filadélfia, nos Estados Unidos, tentou vender o seu Glass no eBay. Em entrevista à revista Wired, ele afirmou que não tinha atentado à regra. “As pessoas do grupo Explorer, no Google +, estão agindo como se eu tivesse cometido um sacrilégio”, afirmou o usuário.

Segundo o termo do Google, os proprietários só estão autorizadas a comprar uma unidade do dispositivo. Ele não pode ser vendido, emprestado ou dado à outra pessoa. Caso o acessório seja transferido para outra pessoa sem a prévia autorização do Google, o gadget será desativado.

Teste – O americano Dan McLaughlin é um dos 8.000 “beta testers” selecionados pelo Google e autorizados a comprar o Glass. Na semana passada, ele foi à sede do Google, em Mountain View, na Califórnia, pegar a sua versão. Dez minutos depois de chegar em casa, McLaughlin produziu um vídeo mostrando exatamente como é o aguardado gadget. Assista ao vídeo a seguir (em inglês):