Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O retrato do invisível: 2019 teve a primeira foto de um buraco negro

O Event Horizon Telescope (EHT) usou oito radiotelescópios não para captar a luminosidade, mas sim as ondas de rádio geradas pelo M87

Por Filipe Vilicic Atualizado em 4 jun 2024, 14h45 - Publicado em 27 dez 2019, 06h00

A existência de buracos negros foi teorizada em 1915 — “ontem”, em termos de estudos científicos. A premissa, elaborada pelo físico alemão Karl Schwarzschild (1873-1916), se baseou na então recém-formulada Teoria da Relatividade Geral, de seu conterrâneo Albert Einstein (1879-1955). Segundo ela, a gravidade de corpos pesados poderia ser tão intensa que deformaria o espaço-tempo ao seu redor. Schwarzschild partiu dessa ideia para imaginar o que aconteceria se a massa de uma estrela fosse contida em um único ponto, o que ocorre após a “morte” de um astro desse tipo. O resultado, propôs ele, seria a criação de um buraco negro, com massa tão gigantesca que sugaria praticamente tudo a sua volta, incluindo a luz — em tese, intuiria mais tarde o físi­co inglês Stephen Hawking (1942-2018), só sobraria um resquício de radiação. A ciência já havia provado a intensa força de gravidade exercida por aquele incrível fenômeno, e também captado o som das ondas gravitacionais que ecoam do estrondo provocado pela colisão de dois buracos negros. Faltava, entretanto, a prova cabal da existência desses colossos cósmicos: uma fotografia.

A rigor, não falta mais. Em abril, cientistas do consórcio internacional Event Horizon Telescope (EHT) anunciaram, em comunicados simultâneos distribuídos em seis países, o retrato do M87, cuja dimensão é equivalente a 6,5 bilhões de vezes a do Sol. Pergunta inevitável: como teria sido possível fotografar o gigante, localizado a nada menos que 55 milhões de anos-luz da Terra, se uma das características elementares do fenômeno é justamente, como se disse antes, o fato de absorver toda a luz ao redor e, portanto, ser “invisível”? Pois aí é que entrou o progresso tecnológico. O EHT usou oito radiotelescópios, espalhados por Espanha, EUA, Chile, México e Antártica, não para captar a luminosidade, mas sim as ondas de rádio geradas pelo M87. Após dois anos de processamento desses dados, com o apoio de 200 cientistas, um software interpretou os registros radiofônicos para compor a imagem acima — que representa o que se veria do buraco negro caso uma hipotética nave se aproximasse dele a uma distância segura. De longe, é lindo.

Publicado em VEJA de 1º de janeiro de 2020, edição nº 2667


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.