Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mesmo sem Steve Jobs, Apple deve manter vigor

Para analistas, executivo preparou empresa para caminhar sem ele

Por James Della Valle 25 ago 2011, 19h50

Steve Jobs não é mais o responsável por comandar a segunda empresa mais valiosa do mundo. A saída pode causar problemas pontuais para a Apple, que praticamente se fundiu à imagem de seu criador, mas eles não devem se tornar crônicos. Nesta quinta-feira, por exemplo, um dia depois do anúncio do afastamento, as ações da companhia caíram cerca de 2%, chegando a 369,04 dólares no mercado.

A oscilação, considerada pequena, mostra que a troca já era esperada pelos investidores, e que a escolha de Tim Cook, ex-chefe de operações da Apple, não abalou as negociações do mercado. “Em curto prazo, não vemos nenhum impacto que possa prejudicar a Apple, apesar dessas oscilações normais de mercado”, diz Bruno Freitas, analista de mercado do grupo IDC.

O conforto é fruto de uma tática quase imperceptível adotada pelo cérebro da empresa: o treino de seus funcionários principais para lidar com as grandes apresentações da Apple. Basta relembrar os últimos lançamentos, com Jobs chamando a atenção do público para as novidades e deixando a explicação técnica para os especialistas. “Hoje, você pode ver outras caras nos eventos públicos da companhia. Isso é claramente uma tentativa de mostrar que a Apple é feita por mais pessoas”, afirma Freitas.

Como conselheiro, as obrigações de Jobs devem diminuir drasticamente. Mas isso não significa que ele vá se afastar definitivamente dos projetos da empresa. “A Apple equivale à vida de Steve Jobs. Com ou sem o cargo de conselheiro, ele vai continuar envolvido nas decisões até quando não puder mais”, afirma Carolina Milanesi, analista do Gartner – grupo especializado em análise de mercado. A especialista também aposta que o ex-CEO deixou a Apple pronta para continuar a atuar de forma incisiva no mercado. “Não há dúvidas de que, sem ele, não haveria Apple. Mas a questão é que ele criou um time e uma série de processos pensando no sucesso”, diz Carolina.

Isso significa que, a princípio, nada deve mudar na rotina da companhia que hoje vale 346,74 bilhões de dólares é conhecida por produtos como iPads, iPhones, iPods e computadores da linha Mac. “Ao longo dos anos, Jobs estabeleceu essa cultura de inovação dentro da empresa”, afirma Freitas. “Podemos falar que a Apple absorveu o DNA de Steve Jobs. Por isso, ela pode continuar bem, mesmo sem ele no comando.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)