Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Galaxy S6, relógios inteligentes e mais destaques da MWC 2015

Confira lançamentos do evento realizado nesta semana em Barcelona

Quem esperava ver as grandes marcas anunciarem smartphones poderosos na Mobile World Congress 2015, a feira de tecnologia móvel que terminou nesta quinta-feira em Barcelona, na Espanha, pode ter se decepcionado. Com exceção da sul-coreana Samsung, que apresentou o Galaxy S6, nenhuma marca anunciou um dispositivo que pudesse rivalizar com o iPhones 6. Muitas preferiram inovar seu catálogo apresentando relógios e pulseiras inteligentes, câmeras de ação (tipo GoPro), headsets de realidade virtual e aplicativos.

Entre as novidades, os smartwatches se apresentaram como principal tendência do setor móvel: LG, Samsung, Peeble, Alcatel e várias outras empresas apresentaram modelos. A grande atração, porém, veio de uma marca ainda sem experiência na área, a chinesa Huawei. O primeiro aparelho do gênero apresentado pela companhia, o Huawei Watch, chamou atenção pelo design que misturou tradição e luxo. É o primeiro gadget do gênero a usar cristal de safira e, de acordo com a fabricante, é sensível ao toque mesmo quando acionados com luvas ou mãos molhadas. (Confira detalhes na galeria abaixo)

Outra área movimentada na feira foi a dos gadgets de realidade virtual. Sony e HTC apresentaram headsets imersivos para suas marcas e ganharam elogios do público, via redes sociais. Project Morpheus, da Sony, está em fase de desenvolvimento e deve chegar ao mercado em 2016; já o Vive, da HTC e da empresa de games Valve, está mais evoluído e chegará às lojas ainda neste ano.

Movimentação chinesa – As chinesas Xiaomi, Huawei e Lenovo apresentaram diversos produtos de baixo custo, como câmeras de ação e smartphones intermediários. A tendência foi seguida por outras companhias como Microsoft, que anunciou uma linha econômica da série Lumia, e Nokia, com um tablet que será vendido apenas na China. Ao que parece, o movimento do mercado no país asiático terá duas mãos neste ano: as companhias nacionais tentam se expandir no exterior enquanto as gigantes estrangeiras buscam entrar no território chinês.

(Da redação)