Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

E-sports: o nó da polêmica aberta por Ana Moser

A ministra provocou a ira da comunidade gamer ao dizer que o nicho é entretenimento, não esporte. Mas a questão é outra: o errado é pôr dinheiro público

Por Luiz Felipe Castro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
22 jan 2023, 08h00

A ministra do Esporte, Ana Moser, nunca foi de fugir de briga em seu tempo como jogadora de vôlei — e as épicas e mercuriais batalhas diante das cubanas na década de 90 são prova de seu comportamento sempre sério e rigoroso. Agora em 2023, a briga é outra e talvez ainda mais difícil do que nas quadras. O primeiro passo é reajustar os valores do Bolsa Atleta, estagnado há dez anos, e sem o qual muito dificilmente o Brasil terá equipes competitivas em Olimpíadas. Ela está decidida, também, a conseguir verba para tornar a prática esportiva acessível para toda a população. O caminho é correto e precisa ser posto à mesa. Contudo, foi engolido por uma outra discussão, inesperada. Instada por jornalistas do portal UOL a comentar a ascensão dos jogos eletrônicos — os chamados e-sports —, Moser cortou: “A meu ver, é uma indústria do entretenimento, não é esporte”. E acrescentou, ao rebater o argumento de que os gamers passam por intenso treinamento para as competições que lotam ginásios pelo país: “a Ivete Sangalo também se prepara para dar show e nem por isso é uma atleta”.

A reação foi imediata. Casimiro Miguel, sensação do universo do strea­ming, tratou a fala como “grotesca, porque parecia não saber do que estava falando”. Alexandre Borba, o Gaules, um dos maiores influenciadores do ramo, foi quem tocou no ponto crucial: “Nós nunca precisamos desse pessoal”. Ele tem razão e, a rigor, parece andar de mãos dadas com a ministra: não é preciso pôr dinheiro público numa modalidade que vive muito bem com patrocínio e investimento da iniciativa privada. Não é o caso, definitivamente, da criação de um socorro artificial, o “bolsa gamer”.

PARA QUÊ? - Tradição: xadrez é “esporte da mente”, mas queria é ser olímpico -
PARA QUÊ? - Tradição: xadrez é “esporte da mente”, mas queria é ser olímpico – (Jerry Cooke/Corbis/Getty Images)

O que realmente incomodou os membros dessa indústria bilionária (veja no quadro) foi, na verdade, a forma e não o conteúdo da análise de Moser. A comunidade costuma se unir no combate a estigmas, como o de que videogame é uma porta de entrada para o sedentarismo, a obesidade e impulsos violentos. Há uma série de evidências a favor deles, como a presença crescente de jogadores profissionais, que ganham fortunas e passam por rígido acompanhamento, incluindo dietas; ou estudos, como um da Universidade de Oxford, na Inglaterra, segundo o qual a prática sem exageros pode produzir bem-estar e aliviar transtornos como depressão e ansiedade. O nó, insista-se, é outro, e não se trata de um dilema shakespeariano: é esporte ou não é? A chancela estatal é que produziria efeitos colaterais.

arte games

Continua após a publicidade

Desde 2017 tramita no Senado a Lei Geral do Esporte, cuja versão original tratava atividades esportivas como “predominantemente físicas”. Os gamers, a rigor, teriam muito a perder caso abandonassem o modelo atual, no qual transitam entre cultura e tecnologia. Já há, inclusive, algum aporte público indireto, visto que o Banco do Brasil é um dos principais patrocinadores de campeonatos e atletas vir­tuais. É verba que sai do setor de entretenimento, e não do ínfimo orçamento de 190 milhões de reais anuais que o esporte tem por lei, até agora. Além disso, videogames e computadores recebem tributação inferior a bolas, raquetes, luvas e capacetes. “Buscamos regulamentação, mas se esse processo for conduzido por quem não tem conhecimento da área e só servir para ampliar a burocracia com políticos e federações, será ruim”, disse a VEJA Thomas Hamence, CEO da paiN Gaming, uma das principais equipes do Brasil. “Não se trata de discutir o financiamento, mas de respeitar o esforço físico, técnico e psicológico dos atletas”, afirma André Akkari, cofundador do time Furia.

Nem mesmo a possibilidade de se tornar esporte olímpico entusiasma a turma. O Comitê Olímpico Internacional (COI) já abriu as portas para os e-spor­ts, mas priorizará jogos eletrônicos que simulem modalidades reais, como o ciclismo. Games de tiros, não. Além disso, ser adotado pelo COI obrigaria a construção de federações, o que atrapalharia os negócios. A vontade da comunidade dos e-sports vai na contramão do universo de uma outra atividade, o xadrez. Reconhecido desde 2005 como “esporte da mente”, segue lutando, sem sucesso, para virar olímpico. Fica bem onde está — e os games também, sem a forcinha desnecessária do bolso do contribuinte.

Publicado em VEJA de 25 de janeiro de 2023, edição nº 2825

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.