Clique e assine a partir de 8,90/mês

Apple cresce com a venda de iPhones e iPads

Por The New York Times - 21 jul 2010, 12h17

O lucro líquido da empresa cresceu 78% no último trimestre, impulsionado pelas fortes vendas do iPhone, do iPad e da linha de computadores Macintosh

A antena do iPhone 4 pode causar estática para alguns investidores, mas a Apple não mostra sinais de desaceleração. A empresa afirmou, na terça-feira, que seu lucro líquido cresceu 78% no último trimestre, impulsionado pelas fortes vendas do iPhone, do iPad e da linha de computadores Macintosh. Os resultados mostram que a Apple continua superando seus competidores em suas três grandes linhas de negócios: computadores, telefones e tablets – e estaria vendendo mais iPhones e iPads se pudesse acompanhar a demanda.

“Cada vez mais, a vida das pessoas depende de computadores, fixos ou móveis”, disse Gene Munster, analista da Piper Jaffray. “As pessoas percebem isso e a Apple está capitalizando esse fato.” Executivos da empresa se dizem safisfeitos com os resultados, que superou as expectativas de Wall Street.

“O iPad teve um início fantástico, as pessoas estão comprando mais Macs do que nunca e temos novos produtos surpreendentes para lançarmos neste ano”, disse o presidente-executivo Steve Jobs, em nota à imprensa. A Apple vendeu cerca de 3,3 milhões de iPads no trimestre. Consumidores foram atraídos pelos modelos mais caros e ajudaram a criar um novo segmento de negócios para a empresa, que gerou vendas de 2,1 bilhões de dólares.

Com 8,4 milhões de unidades vendidas, o iPhone continua como o maior e mais rentável negócio da Apple, gerando 5,3 bilhões de dólares em vendas no trimestre. A maioria das vendas é de aparelhos iPhone 3G e 3GS, uma vez que o iPhone 4 foi lançado em 24 de junho, poucos dias antes do final do trimestre. E a Apple vendeu 3,47 milhões de computadores Macintosh, dissipando temores de que o iPad prejudicaria esse nicho. “A Apple tinha pavor de que o iPad canibalizasse a venda de Macs”, disse Munster. “Isso não aconteceu.”

Receita – Segundo a Apple, o lucro líquido chegou a 3,25 bilhões de dólares, ou 3,51 dólares por ação, um salto de 78% desde o começo do ano. As vendas cresceram 61%, para 15,7 bilhões de dólares. Analistas de Wall Street esperavam lucro líquido de 3,12 dólares por ação sobre vendas de 14,75 bilhões de dólares. Os investidores esperam pelos efeitos do iPad na margem de lucro da Apple. A companhia advertiu que as margens do iPad podem ser menores, se comparadas a produtos como o iPhone. Mas em teleconferência com investidores, os executivos da Apple afirmaram que a queda foi menor do que se esperava.

No geral, a margem bruta da Apple foi de 39,1% no último trimestre, abaixo dos 40,9% no mesmo período do ano anterior. A empresa fez uma previsão otimista para o atual trimestre. “A Apple é, hoje, uma companhia multifacetada e continua a desafiar a economia”, destacou Shaw Wu, analista da Kaufman Brothers. As ações da Apple caíram 9% desde o lançamento do iPhone 4, mas subiram 2,5% na terça-feira, para fehcar em 251,89 dólares. A Apple divulgou seus resultados financeiros depois do fechamento do pregão. As ações subiram mais 3% em negócios pós-fechamento.

iPhone 4 – Os problemas com a antena de recepção do iPhone 4 ganharam as manchetes nas últimas semanas. Logo após o lançamento do aparelho, usuários começaram a reclamar de problemas com chamadas e ligações perdidas quando tocavam a parte inferior esquerda da antena, construída numa cápsula de aço que envolve o telefone. Para encerrar a controvérsia, Steve Jobs disse que a Apple iria oferecer isolantes para todos os clientes que compraram o aparelho. Os isolantes, que impedem o toque na antena, resolvem os problemas de recepção. O custo com o “brinde” pode chegar a 178 milhões de dólares, de acordo com analistas.

Continua após a publicidade
Publicidade