Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Uso de remédios para hipertensão aumenta 46,4% no primeiro bimestre

Pressão alta atinge cerca de 36 milhões de brasileiros e mata 300 mil pessoas por ano no país; saiba como evitar a doença

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 abr 2023, 19h58 - Publicado em 26 abr 2023, 19h57

Estresse, alto consumo de sal, obesidade, sedentarismo e colesterol elevado são alguns dos principais fatores de risco para a hipertensão arterial, também chamada de pressão alta, doença que atinge aproximadamente 36 milhões de pessoas no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, estima-se que apenas a metade dessa população sabe que vive com a condição e só 50% desses pacientes realizam o tratamento. Mesmo assim, a procura por remédios tem aumentado. Um levantamento da plataforma epharma, focada em programas e planos de benefícios em medicamentos, apontou um crescimento de 46,4% no uso de fármacos para hipertensão no primeiro bimestre deste ano ante o mesmo período em 2022.

O tratamento é parte importante do controle da pressão alta, mas especialistas defendem a prevenção como o melhor caminho para evitar comorbidades e riscos à vida. A estimativa, no país, é de que a doença mata cerca de 300 mil brasileiros por ano. Entre as complicações possíveis, estão alterações no funcionamento de órgãos vitais, como os rins e o coração, que podem levar a casos de doença renal crônica, infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC) .

“Para ter uma boa qualidade de vida com o diagnóstico de hipertensão arterial é preciso cultivar hábitos saudáveis, realizar acompanhamento médico e utilizar corretamente a medicação”, diz, em nota, Lilian Cavalheiro, cardiologista na AMA Especialidades Jardim São Luiz, gerenciada pelo Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (CEJAM) em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo.

A pressão alta é silenciosa, no entanto, é possível observar sintomas que indicam o quadro, como palpitações, dor de cabeça frequente, alteração na visão, tontura, falta de ar e sangramento no nariz.

O quadro pode ser detectado com a medição dos níveis de pressão arterial. Se estiver acima de 140×90 mmHg (milímetro de mercúrio), também chamada de “14 por 9”, é recomendado iniciar o acompanhamento médico para verificar a necessidade de tratamento. O fator hereditário é importante para o aparecimento da doença, chegando a influenciar em 90% dos casos, mas é possível incluir mudanças na rotina e reduzir episódios graves no futuro.

Como evitar a hipertensão

  • Mantenha o peso adequado
  • Tenha hábitos alimentares
  • Evite o excesso de sal e alimentos gordurosos
  • Pratique atividades físicas
  • Não fume
  • Busque ter momentos de lazer
  • Beba com moderação
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.