Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Socorristas em saúde mental: curso on-line é lançado por hospital

Iniciativa visa a fornecer ferramentas para intervenção em crises, alinhando-se à demanda por serviços de suporte emocional no setor privado

Por Ligia Moraes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 7 jun 2024, 19h00

Ansiedade, depressão e demais sofrimentos mentais estão em curva crescente em todo o mundo, processo que se agravou durante e depois da pandemia de covid-19. A demanda por profissionais também está aumentando e é neste cenário que será lançado, nesta segunda-feira, 10, o curso on-line de Formação de Socorristas em Saúde Mental. A iniciativa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, localizado em São Paulo, está na terceira edição e tem como público alvo  profissionais que desejam aprender a identificar e apoiar situações de conflito causadas por transtornos mentais. Pela primeira vez, as inscrições estão abertas para profissionais individuais.

Com duração de três semanas e carga horária de 16 horas, o curso oferece capacitação para a prevenção do sofrimento mental em ambientes coletivos, de trabalho ou familiares. Segundo a instituição, o curso já formou cerca de 150 socorristas de diversas empresas e do próprio hospital desde sua criação, em 2021, durante a pandemia. 

As aulas são ministradas por médicos do corpo clínico do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e por especialistas convidados, abordando temas como sinais e sintomas de transtornos mentais, impactos da alimentação e do estilo de vida na saúde emocional, e estratégias anti-burnout no ambiente de trabalho. A iniciativa é pioneira no país e foi desenvolvida com base em um modelo de treinamento feito na Austrália e no Canadá. 

A formação é dividida em quatro módulos, que incluem tópicos como sustentabilidade emocional, segurança psicológica e gestão de conflitos. O conteúdo programático inclui impacto dos transtornos mentais, técnicas de intervenção e comunicação não violenta. Valores podem ser encontrados no site do hospital.

Como a saúde mental movimenta o mercado privado

A necessidade de iniciativas como essa é evidenciada por dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) de 2023, que mostram que 63% dos brasileiros sofrem com ansiedade, 37% têm estresse severo e 59% apresentam quadros de depressão. Apontando na mesma direção, um levantamento da consultoria Alvarez & Marsal aponta um crescimento anual de 12 a 15% nos últimos quatro anos em atendimentos de saúde no Brasil devido a transtornos mentais. Estes, inclusive, já são apontados como a terceira principal causa de doença no país, após as doenças cardiovasculares e as oncológicas. 

Continua após a publicidade

Ao mesmo tempo, houve, na rede pública, redução de leitos psiquiátricos públicos a partir de 2001, quando foi promulgada a reforma psiquiátrica com foco na desospitalização, a priorização de tratamentos via Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e a redução de internações psiquiátricas desnecessárias. Esse movimento deu espaço para que o mercado, por sua vez, ocupasse um lugar de maior destaque no cuidado da saúde mental. 

De acordo com levantamento da consultoria, em 2018, o Sistema Único de Saúde (SUS) respondia por 27.200 dos leitos psiquiátricos no Brasil, o equivalente a 63,3%. Em 2023, caiu para 23.600 — ou 54,3%  —, sendo os outros 45,7% geridos pela iniciativa privada que criou, neste intervalo de seis anos, mais 3.500 leitos.

Já as projeções de mercado de 2022 para 2030 sinalizam estimativa de crescimento de 11% nas consultas psiquiátricas ambulatoriais oferecidas por operadoras de saúde. Assim, iniciativas como a do Hospital Alemão Oswaldo Cruz parecem ganhar mais destaque e visibilidade à medida que os cuidados de saúde mental se desestatizam.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.