Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fiocruz detecta primeiro caso de meningoencefalite por fungo raro

Microrganismo causou grave infecção no cérebro e meninges de uma adolescente de 14 anos no Rio de Janeiro, levando jovem à morte

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 dez 2022, 17h59 - Publicado em 30 dez 2022, 17h17

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou o registro do primeiro caso no Brasil de meningoencefalite, infecção que causa inflamação no cérebro e meninges, causada por um fungo raro chamado Penicillium chrysogenum. A entidade informou que o microrganismo ainda não tinha sido descrito no país como responsável pela doença. A pessoa infectada, uma adolescente de 14 anos do Rio de Janeiro, não tinha comorbidades, mas veio a óbito em decorrência da gravidade do quadro.

Segundo a Fiocruz, a jovem chegou ao Hospital Naval Marcílio Dias, na zona norte da capital fluminense, com dor de cabeça, vômito e fotofobia. Em análise do líquido cefalorraquidiano, que envolve o cérebro e a medula espinhal, o microrganismo foi detectado. Foi iniciado um tratamento com dois medicamentos antifúngicos, no entanto, a paciente não resistiu e morreu de choque séptico e neurogênico.

“Os quadros de meningoencefalite são comumente associados a infecções provocadas por bactérias ou por fungos do gênero Cryptococcus. Foi um espanto identificar que este caso estava relacionado ao Penicillium, e de uma espécie que ainda não tinha sido descrita no país como causadora dessa doença”, informou, em nota, Manoel Marques Evangelista de Oliveira, pesquisador do Laboratório do Instituto Oswaldo Cruz e coordenador de um artigo sobre o tema publicado no periódico científico International Journal of Infectious Diseases.

Os pesquisadores demonstraram preocupação com o achado pela possibilidade de o fungo Penicillium chrysogenum ter um perfil de escape da resposta imunológica, pois não havia indícios de que o organismo da jovem não era capaz de agir contra a infecção – algo que poderia ocorrer em um paciente imunocomprometido, como pacientes oncológicos e pessoas que vivem com o HIV -.

Continua após a publicidade

“O nosso artigo serve de alerta para médicos considerarem mais constantemente os fungos em seus diagnósticos, como foi feito pelo Hospital Naval Marcílio Dias. Assim como vírus e bactérias, os fungos podem provocar diversas doenças. Porém, como não são muito lembrados, vários casos são tratados tardiamente ou passam despercebidos”, explica o pesquisador.

A Fiocruz informou que não se sabe como ocorreu a infecção da jovem pelo fungo, que costuma ser encontrado onde há matéria em decomposição, obras e passagem de esgoto.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.