Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estados Unidos aprovam novo remédio semanal para obesidade

Princípio ativo do Zepbound, a tirzepatida, é o mesmo utilizado em medicamento recém-liberado no Brasil para tratar diabetes tipo 2

Por Diogo Sponchiato Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 nov 2023, 14h50 - Publicado em 9 nov 2023, 14h41

A agência regulatória dos Estados Unidos, a FDA (Food and Drugs Administration), concedeu aval para a comercialização de um dos mais aguardados medicamentos para o tratamento da obesidade, a tirzepatida.

O remédio, injetável e semanal, tem a mesma substância do Mounjaro, formulação recém-aprovada no Brasil para o controle do diabetes tipo 2, mas ainda não disponível nas farmácias.

A nova versão, destinada a indivíduos com obesidade (IMC acima de 30 Kg/m2) ou com sobrepeso (IMC maior que 27 Kg/m2) e diagnóstico de problemas de saúde em paralelo, caso de diabetes, hipertensão ou alteração de colesterol e triglicérides, será vendida como Zepbound. A indicação para pacientes acima do peso também foi submetida à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A tirzepatida, desenvolvida pelo laboratório Eli Lilly, simula a ação de dois hormônios naturalmente produzidos pelo corpo, induzindo uma resposta de retardamento do esvaziamento gástrico, aumento da sensação de saciedade e controle dos níveis de açúcar no sangue. Inaugurou, assim, a classe dos agonistas de GLP-1 e GIP (os nomes dos hormônios).

Além de propiciar o equilíbrio glicêmico a ponto de pacientes com diabetes ficarem com exames similares aos de pessoas sem a doença, a tirzepatida tem animado médicos e congressos científicos pelas conquistas históricas em termos de emagrecimento.

Continua após a publicidade

Chega ao mercado, nas suas duas formulações, para concorrer com Ozempic e Wegovy, os remédios à base de semaglutida da Novo Nordisk para diabetes tipo 2 e obesidade, respectivamente.

Efeito inédito

“É o tratamento medicamentoso com maior efetividade na redução do peso corporal até o momento”, diz o endocrinologista Carlos Eduardo Barra Couri, pesquisador da USP de Ribeirão Preto. Em um dos últimos estudos com a tirzepatida, recém-apresentado no Congresso Europeu de Diabetes, na Alemanha, cerca de metade dos pacientes tratados perdeu 26% do peso corporal.

“Claro que há indivíduos que perdem mais e outros que perdem menos peso com a medicação, mas, na média, esse é um número impensável anos atrás”, avalia Couri.

“Mas estamos falando de tratamentos que devem ser utilizados continuamente. Pesquisas mostram que a suspensão está associada à perda dos efeitos no médio prazo”, sublinha o médico, que ainda destaca que a medicação reduziu os níveis de pressão e colesterol entre as pessoas estudadas.

Continua após a publicidade

Além dos EUA, o Reino Unido também deu sinal verde para o uso da tirzepatida contra a obesidade. No Brasil, ainda não há previsão de quando isso deve acontecer. A farmacêutica Eli Lilly tampouco sabe quanto será o custo do tratamento semanal por aqui.

“O grande desafio, como sempre, será o acesso da população a esse tipo de medicamento, assim como a falta de políticas públicas para o enfrentamento dessa pandemia de obesidade”, avalia o endocrinologista e colunista de VEJA SAÚDE.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.