Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estudo contesta colonoscopia para evitar morte por câncer colorretal

Diminuição foi considerada insignificante por pesquisadores, mas periódico científico recomenda acompanhar resultados de outras pesquisas sobre o tema

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 12 out 2022, 19h38

Um dos maiores estudos já realizados sobre a eficácia da colonoscopia, exame endoscópico para avaliação do reto e do intestino grosso, para rastrear o câncer colorretal e reduzir o risco de morte dos pacientes contestou a efetividade do procedimento. A análise de 84,5 mil participantes da Polônia, Noruega e Suécia apontou que, em um período de dez anos, o exame reduziu em 18% o risco de desenvolvimento da doença, mas a diminuição do risco de morte foi considerada insignificante. Os achados da Iniciativa Nórdico-Europeia sobre Câncer Colorretal (NordICC) foram publicados no periódico The New England Journal Of Medicine, que escreveu um editorial cauteloso sobre os resultados, recomendando o acompanhamento de outras pesquisas antes de concluir que o exame é desnecessário.

O estudo foi realizado entre 2009 e 2014 com homens e mulheres de 55 a 64 anos que foram distribuídos aleatoriamente para receber um convite para fazer uma colonoscopia de triagem ou não receber a convocação. No grupo dos convidados, com 28.220 participantes, 11.843 (42%) foram submetidos à triagem. Outros 56.365 mantiveram cuidados habituais. Após uma década, 259 casos de câncer colorretal foram diagnosticados no grupo que recebeu o convite. No outro grupo, foram 622.

“Nas análises de intenção de triagem, o risco de câncer colorretal em 10 anos foi de 0,98% no grupo convidado e 1,20% no grupo de cuidados habituais, uma redução de risco de 18%. O risco de morte por câncer colorretal foi de 0,28% no grupo convidado e 0,31% no grupo de cuidados habituais”, informaram os pesquisadores.

A colonoscopia é usada para o rastreamento da doença em países como os Estados Unidos e o Brasil. Aqui, a triagem é recomendada a partir dos 45 anos e pode ser realizada antes caso o paciente tenha histórico familiar de câncer colorretal, segundo recomendação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica.

Continua após a publicidade

Em editorial, o periódico The New England Journal Of Medicine reconhece a existência de uma lacuna nas evidências sobre os impactos do exame para dar suporte à recomendação, até porque os dados disponíveis atualmente não permitem ajustes nas variáveis para resultados semelhantes aos encontrados em vida real. Um dos exemplos dados diz respeito à adesão incompleta aos exames. Mas lança um olhar crítico ao estudo.

“Existem várias explicações potenciais para esses resultados desencorajadores. Por exemplo, a triagem só pode ser eficaz se for realizada; apenas 42% dos participantes do estudo NordICC que foram convidados a fazer o rastreamento foram submetidos à colonoscopia, em comparação com 58 a 87% nos estudos de sigmoidoscopia (exame minimalmente invasivo do intestino grosso, do reto e cólon sigmoide)”.

O periódico não desprezou os achados e argumentou que, se o estudo representar o desempenho do exame, é possível questionar a adoção desse tipo de rastreamento, tendo em vista outras opções menos invasivas. “No entanto, com o aumento dos níveis de participação no rastreamento e com exames de alta qualidade, seriam esperadas maiores reduções na incidência de câncer colorretal e morte relacionada.” E completa: “Embora os resultados possam, em curto prazo, moderar o entusiasmo pela colonoscopia de triagem, são necessárias análises adicionais, incluindo acompanhamento mais longo e resultados de outros estudos de eficácia comparativa em andamento”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.