Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Conheça o perfil mais afetado pela síndrome de burnout

Em novo livro, especialista detalha o transtorno, que causa exaustão constante e redução no desempenho profissional

Por Diego Alejandro
3 jan 2023, 18h38

É seguro dizer que todos se sentem exaustos eventualmente, mas já se perguntou quando o cansaço extrapola para a síndrome de burnout, também chamada de síndrome do esgotamento profissional? Gordon Parker, especialista em saúde mental e transtornos do humor, vem estudando esse fenômeno há anos e os resultados dessa extensa pesquisa foram publicados recentemente no livro “Burnout: um guia para identificar o esgotamento e os caminhos para a recuperação”, onde o pesquisador definiu quem são os mais afetados pela síndrome.

O estudo destaca alguns dos sinais de alerta e sugere que as pessoas que tendem a ser perfeccionistas são mais propensas a ter burnout. “Esse tipo resulta em excelentes profissionais, pois são extremamente confiáveis e conscientes”, avalia Parker. No entanto, perfeccionistas tendem ao esgotamento, pois estabelecem padrões irrealistas e implacáveis para seu próprio desempenho, que são impossíveis de cumprir.

Ao contrário do cansaço normal, quem sofre com a condição apresenta exaustão constante, disfunção cognitiva, às vezes conhecida como “névoa cerebral” e desconexão de seus amigos e familiares, bem como redução do desempenho no trabalho e nas tarefas domésticas. Não à toa, na última atualização da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), ocorrida em janeiro do ano passado, a síndrome de burnout foi reclassificada passando a ser definida como um transtorno ocupacional. Ou seja, o trabalho em excesso pode gerar transtornos sérios na mente dos profissionais.

E de acordo com o International Stress Management Association, o Brasil é o segundo país com mais casos de burnout, atingindo cerca de três em cada dez trabalhadores.

Algumas ferramentas convencionais usadas para diagnosticar o burnout se concentram no estresse relacionado ao trabalho, no entanto, o especialista sugere que o impacto é muito mais extenso. “A maioria das pessoas pensa que o esgotamento é um problema laboral. Na verdade, descobrimos que o estresse vivenciado também em casa pode desencadear o esgotamento”, diz Parker.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.