Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“Comida não é um inimigo”

A best-seller de culinária diz que a obsessão por alimentação saudável está afastando os brasileiros dos bons hábitos nutricionais

Por Daniel Bergamasco Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Claudio Rabin
Atualizado em 3 mar 2017, 21h40 - Publicado em 24 fev 2017, 20h29

Com cerca de 500 000 livros de culinária vendidos em sete títulos, Rita Lobo se viu há duas semanas no centro de uma polêmica que movimentou a internet. No Twitter, a apresentadora do Cozinha Prática, do canal pago GNT, citou uma pergunta que sintetiza dúvidas frequentes de seus seguidores: “ ‘Por que você não ensina maionese com óleo de coco e iogurte, em vez de gema e óleo?’ 1) Porque não é maionese; 2) Trate seu distúrbio alimentar”.

Em entrevista à edição impressa de VEJA desta semana, ela falou sobre a mania de alimentação saudável. “As pessoas estão muito confusas, achando que comer bem é sinônimo de fazer dieta, de restrição, de cortar lactose. Isso está errado. Saudável é algo feito na cozinha de casa, a partir de produtos que vêm da natureza. Muitos trocam o padrão de alimentação tradicional no Brasil — o feijão com arroz, os legumes refogados, que são ótimos — pela medicalização dos pratos.”

Não se trata de um resgate da “comida da vó”, que exige “tempo e habilidades culinárias” raras nos dias de hoje. “Precisamos simplificar. É o resgate de se sentar à mesa, do vegetal, do feijão, em vez de invenções supostamente saudáveis, criadas pela indústria.”

Ela critica também a mania de substituições à mesa. “Não venham me falar para substituir a farinha por fécula que o bolo vai ficar mais saudável porque não é verdade. Alimentação saudável não é isso.” Seria ela uma anti-Bela Gil? “O nosso discurso é diferente. Ela está dizendo que você tem de olhar para os nutrientes para fazer as escolhas. Acho que essas substituições são ruins. Sou amiga da Bela Gil. Já conversamos várias vezes sobre isso. Acho ruim o terrorismo nutricional. Não há polêmica. Ela segue uma linha que não sei qual é. Eu sigo a da Organização Mundial da Saúde e do Guia Alimentar para a População Brasileira (do Ministério da Saúde, feito por pesquisadores da USP). Agora, a gente tem uma coisa em comum, que admiramos muito uma na outra: temos o objetivo de colocar a pessoa na cozinha e sabemos fazer isso muito bem, ainda que com ideias diferentes.”

Continua após a publicidade

Rita conta que reluta em se tornar garota-propaganda de marcas que a procuram, por não acreditar nos produtos. “Minha credibilidade não está à venda”, diz, exemplificando: “Eu não ganho nada para divulgar o guia do Ministério da Saúde.”

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.