Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cigarro eletrônico: descoberta a causa da doença ligada ao uso do aparelho

O acetato de vitamina E, óleo utilizado para diluir maconha, é apontado como o principal responsável pelas mortes e doenças ligadas ao cigarro eletrônico

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) informou que o acetato de vitamina E é um dos principais culpados pelas doenças e mortes associadas ao uso de cigarro eletrônico. A substância é um óleo utilizado para diluir maconha e foi encontrada no local primário de lesão do pulmão de 29 vítimas, incluindo duas que morreram.

“Pela primeira vez, detectamos uma potencial toxina preocupante, o acetato de vitamina E, em amostras biológicas de pacientes com danos nos pulmões associados aos vaporizadores”, disse Anne Schuchat, diretora adjunta do CDC.

De acordo com o CDC, o acetato de vitamina E é pegajoso e adere o tecido pulmonar. Os pesquisadores não sabem exatamente como isso prejudica os pulmões, mas estudos em animais estão sendo considerados para ajudar a desvendar esse mistério. A substância é comumente utilizada como um suplemento vitamínico ou ingrediente em loções para a pele.

Nos líquidos vaporizados, ela tem função de espessante ou é usado para diluir o THC, composto psicoativo da maconha. No entanto, embora seguro para ingerir, ele pode não ser seguro para inalar: ao contrário dos pulmões, o sistema digestivo tem enzimas para decompor o que comemos.

Apesar dos resultados, o CDC ressalta que outros produtos químicos ou toxinas de fluidos ou dispositivos vaporizadores podem estar associados ao aparecimento de graves problemas respiratórios. Como ainda há incerteza sobre o que está causando a doença, o CDC recomenda evitar o uso de vaporizadores e cigarros eletrônicos.

Uma pesquisa feita pelas autoridades de saúde do estado de Illinois, nos Estados Unidos, com o objetivo de identificar fatores de risco para a doença concluiu que a maioria das pessoas que utiliza cigarros eletrônicos inala nicotina. Entretanto, 21% usaram o dispositivo com THC.

Os pacientes que adoeceram apresentaram maior probabilidade de vaporizar apenas THC e de usá-lo com freqüência, ou seja, mais de cinco vezes ao dia. Essas pessoas também tinham nove vezes mais chances de comprar THC de fontes informais.

Até o momento, o surto da doença já matou 40 pessoas e adoeceu 2.051 nos Estados Unidos. Muitos pacientes acabaram internados em unidades de terapia intensiva (UTI), precisando de apoio respiratório, como ventilador mecânico ou medidas mais desesperadas para ajudá-los a respirar. A maioria são jovens e adultos do sexo masculino, mas adolescentes também foram afetados.

Segundo informações do jornal americano The New York Times, devido ao aumento do uso de cigarros eletrônicos entre adolescentes, a FDA, agência americana que regula alimentos e medicamentos, deve anunciar em breve medidas envolvendo a proibição de cigarros eletrônicos com sabor, incluindo menta.

Na última quinta-feira (7), a Juul Labs, maior vendedora de cigarros eletrônicos dos EUA, anunciou que interromperia as vendas de cigarros com sabor de menta, depois que as últimas pesquisas nacionais mostraram que os sabores preferidos dos adolescentes são frutas cítricas e menta.

Cigarro eletrônico causa danos ao coração

Dois estudos que serão apresentados na próxima reunião da American Heart Association avaliaram o impacto do uso de cigarros eletrônicos no colesterol e na capacidade do corpo de bombear sangue.

De acordo com informações do site NBC News, no primeiro estudo, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston, nos EUA, concluíram que o cigarro eletrônico aumenta o nível de LDL, colesterol ruim, e diminui o LDL, colesterol bom.

Já o segundo estudo avaliou por que fumar cigarros tradicionais ou eletrônicos com nicotina afeta a capacidade do coração de bombear sangue pelo corpo em repouso e durante o exercício. Os resultados mostraram que o fluxo sanguíneo dos usuários de cigarros eletrônicos diminuiu tanto durante o exercício quanto em repouso.

“Esses produtos são comercializados como alternativas saudáveis ​​e, no entanto, vemos cada vez mais evidências de que eles definitivamente não são saudáveis”, disse o autor do estudo, Florian Rader, diretor médico do Laboratório de Fisiologia Humana e diretor assistente do Laboratório Não Invasivo do Instituto do Coração Smidt no Centro Médico Cedars-Sinai em Los Angeles, à NBC News.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. CARLOS ALBERTO BACCELLI

    Afinal, LDL é colesterol bom ou ruim? o cigarro eletrônico aumenta o nível de LDL, colesterol ruim, e diminui o LDL, colesterol bom

    Curtir