Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A universidade pública em xeque

É preciso sacudir o velho modelo para impulsionar a excelência

Por Claudio de Moura Castro
Atualizado em 4 jun 2024, 17h08 - Publicado em 15 dez 2017, 06h00

A Faculdade de Administração da USP é a FEA, de sólida tradição. Mas, dada a legislação brasileira, para cobrar pelos cursos de pós-graduação lato sensu e vender serviços, foi necessário criar uma fundação — como as centenas que existem por aí. Da costela da FEA nasce a FIA (Fundação Instituto de Administração).

Para pacificar o Conselho Nacional de Educação, a FIA criou também um curso de graduação, em paralelo ao da própria FEA. Como é fundação de direito privado, cobra dos estudantes (mensalidade de 2 800 reais). Como não tem a gloriosa reputação da FEA, recebe alunos com um Enem não tão alto. Além disso, 20% dos estudantes vêm de programas sociais.

Com tais desvantagens, a FIA deveria mostrar resultados mais fracos. Recentemente, saiu o seu Enade. Surpresa! A FIA obteve a nota máxima, 5. Se a FEA houvesse feito o teste, no melhor dos casos, teria o mesmo 5. Ou seja, a FIA, que é paga e recebe alunos mais fracos, empata com a FEA. Como é que pode?

Que razões haveria para tal resultado? Podemos especular…

Os professores da USP (ou de qualquer instituição pública) são invulneráveis. Não podem ser despedidos, e é dificílimo puni-los. Na prática, não cometem pecados sérios, mas ninguém manda neles. Já os da FIA são CLT, ou seja, mais “mandáveis”.

Continua após a publicidade

Os professores da FIA são mais jovens e entusiasmados. Talvez por isso os alunos sejam também mais motivados.

A gestão da FIA é atenta e próxima. Há cobranças. Na FEA os professores são menos cobráveis.

Como em toda universidade de primeira linha, o que interessa na FEA é a pós-graduação. Lá ensinam os melhores e lá se pescam os fundos de pesquisa, em competições meritocráticas. Já o bom desempenho na graduação, por não trazer vantagens tangíveis, fica no limbo.

Serão esses os fatores que explicam o emparelhamento dos resultados? Trata-­se de uma análise muito superficial, pouco mais do que palpites. Teria de ser aprofundada.

Continua após a publicidade

O ponto de partida, no entanto, é muito nítido. Uma instituição pública caríssima recebe alunos melhores, não cobra nada deles e termina com resultados iguais aos da própria cria, que cobra e não tem acesso ao mesmo perfil de alunos.

Na presente análise, o que menos interessa é que seja a USP. Aliás, nada contra as universidades públicas. Sua sina — ou seu azar — é dependerem da bondade ou da perversidade das regras de governança: o que pode, o que não pode, quem manda em quem, o que dá medalhas e o que dá puxões de orelha. Aqui coloco sub judice as regras que foram criadas para o ensino superior público. Por tudo o que sabemos, são para lá de capengas. Note-se que são regras bem diferentes daquelas que prevalecem nas melhores universidades públicas mundo afora.

Quem sabe não está na hora de repensar essas regras? O exemplo dado é apenas um fragmento do problema maior.

Publicado em VEJA de 20 de dezembro de 2017, edição nº 2561

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.