Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Prefeitos reclamam da migração de criminosos de favelas pacificadas

Representantes de doze cidades da Baixada Fluminense se reúnem nesta quinta-feira para elaborar documento que chame a atenção do governador

A política de segurança pública do Rio de Janeiro – principal responsável pela reeleição de Sérgio Cabral, com 66% dos votos, no primeiro turno de 2010 – passa pelo momento de maior descrédito desde o seu início, há cinco anos, com a instalação da primeira Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). O caso Amarildo, pelo qual 25 policiais militares da UPP da Rocinha foram indiciados por tortura seguida de morte, foi o sinal derradeiro de que a simples instalação de uma dessas unidades em um morro não coloca ponto final na violência. Em muitos desses locais, criminosos continuam no comando do tráfico e circulando livremente. Os que foram obrigados a fugir não precisaram se esconder muito longe. A preferência é pela Baixada Fluminense, aonde as UPPs ainda não chegaram – e onde a criminalidade cresceu consideravelmente nesse período. Com esses dados em mãos, os prefeitos de doze cidades da região pretendem se unir para exigir que Cabral volte a atenção para a migração desses bandidos.

Leia também:

Leia também: Coordenador das UPPs pede desculpa por caso Amarildo

Em reunião marcada para a noite desta quinta-feira, os governantes locais pretendem elaborar um documento para ser entregue ao estado, pedindo também reforço no policiamento. Em operação policial realizada no início da semana na Baixada Fluminense e Região Metropolitana, por exemplo, mais de 40% dos criminosos presos atuavam na capital. “Queremos que parem com o planejamento da UPP e fortaleçam os batalhões da Baixada. Em São João de Meriti, temos 457 000 habitantes e 258 homens no policiamento. A Rocinha, com 100 000 moradores, tem UPP com 700 PMs. Não sou contra as Unidades de Polícia Pacificadora, mas precisamos de um planejamento melhor”, compara Sandro Matos (PDT), prefeito de São João de Meriti, responsável por convocar o encontro. Ele discutiu há uma semana com o secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, que nega a fuga de traficantes do Rio para a região.

“A Secretaria de Segurança optou pela UPP. Quando questionamos o problema da migração para a Baixada, o secretário não aceita e não admite o problema. Isso dificulta uma solução”, completou Matos, referindo-se à declaração de Beltrame de que apenas 5% dos presos na cidade são de outros municípios. Segundo o prefeito, esse índice não condiz com a realidade, porque a incidência de roubos aumentou, mas a falta de policiamento faz com que sejam efetuadas poucas prisões. Há cerca de um ano, conta, ele envia e-mails para Cabral sobre a questão. O governador respondeu a todos e disse que encaminharia o problema para o setor de segurança – e nada mais parece ter sido feito. “Nós somos atendidos, mas a questão não se resolve”, lamenta. A reivindicação parte de diversos partidos. O PDT de Matos faz parte da base de Cabral, mas o prefeito já apresentou seu nome à legenda para disputar o governo do estado contra o candidato do PMDB, Luiz Fernando Pezão, em 2014.

Leia também:

Leia também: Homicídios crescem quase 40% no Rio de Janeiro

Números – A criminalidade no estado, de fato, aumentou. Os índices divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), relacionados a agosto, mostram que os homicídios dolosos (com intenção) cresceram 38% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Em números absolutos, o aumento foi de 294 para 406 casos. Os índices de outros crimes também registraram acréscimo, como o latrocínio (roubo seguido de morte), que aumentou 54%, passando de 11 para 17 casos. Na Baixada, o crescimento mais significativo foi em relação a roubo de veículos – com mais de um caso por hora na região durante o período analisado. No geral, a criminalidade na área cresceu mais do que no total do estado.

LEIA TAMBÉM:

Mesada do tráfico arranha a imagem das UPPs

Guerra entre tráfico e milícia fecha seis escolas no Rio