Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Plenário do TCU mantém campanha do pacote anticrime suspensa

Por seis votos a dois, ministros do tribunal referendaram decisão liminar tomada ontem pelo relator, Vital do Rêgo. Propaganda custou R$ 10 milhões

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 out 2019, 18h47 - Publicado em 9 out 2019, 18h18

O plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) manteve nesta quarta-feira, 9, a decisão liminar do ministro Vital do Rêgo que suspendeu a veiculação da campanha publicitária do pacote anticrime elaborado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. Encomendada pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República à agência Artplan, a propaganda com o slogan “Pacote anticrime: a lei tem que estar acima da impunidade” foi lançada na semana passada e seria divulgada até o dia 31 de outubro. A campanha custou 10 milhões de reais.

Votaram por referendar a decisão de Rêgo os ministros Bruno Dantas, Ana Arraes, Raimundo Carreiro, Aroldo Cedraz e Augusto Nardes. Os ministros Augusto Sherman Cavalcanti e Walton Alencar Rodrigues votaram por derrubar a liminar e ficaram vencidos no julgamento.

O entendimento foi tomado em duas ações que pediam a suspensão da campanha publicitária, uma impetrada pelo Ministério Público junto ao TCU e outra pelos deputados federais Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Orlando Silva (PCdoB) e Paulo Teixeira (PT-SP) e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Os parlamentares oposicionistas sustentavam que o pacote anticrime “ainda é algo irreal”, não é uma política de governo, mas sim um projeto legislativo, e como tal não pode ser objeto de campanha publicitária institucional. O argumento se sustenta no artigo 37 da Constituição, segundo o qual “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social”.

Continua após a publicidade

Relator do caso, Vital do Rêgo concordou com o argumento e foi acompanhado pela maioria do plenário. “Não vislumbro como alinhar a divulgação de um projeto de lei que ainda será discutido pelo parlamento com o objetivo de ‘de informar, educar, orientar, mobilizar, prevenir ou alertar a população para a adoção de comportamentos que gerem benefícios individuais e/ou coletivos’”, disse o ministro.

Na liminar, Rêgo abriu 15 dias de prazo para que o titular da Secretaria de Comunicação do governo Bolsonaro, Fabio Wajngarten, apresente ao tribunal algumas explicações, como o fundamento legal para a realização da publicidade, o custo detalhado da iniciativa e os documentos relativos ao processo licitatório.

Em transmissão na internet para abertura do Simpósio Conservador de Ribeirão Preto, no sábado 5, Jair Bolsonaro disse que “chegando a liminar, imediatamente a gente vai suspender isso daí [a campanha]”. Até a tarde desta quarta-feira, as peças da campanha do pacote anticrime continuavam a ser veiculadas. 

Continua após a publicidade

A campanha

Desde o início da semana passada, prédios da Esplanada dos Ministérios ostentam painéis da campanha do pacote anticrime. Já os três vídeos da propaganda, lançados na quinta-feira 3, mostram duas pessoas que tiveram familiares assassinados, em defesa da proibição das “saidinhas” de presos e do imediato cumprimento de pena depois de condenações por júri popular, e uma defendendo a prisão após julgamentos em segunda instância.

O grupo de trabalho que analisa o pacote anticrime na Câmara dos Deputados já rejeitou a execução provisória de pena a réus condenados em segundo grau e aos condenados no tribunal do júri. Formado por 15 deputados, o colegiado foi abandonado por parlamentares da base governista, que consideram que o grupo não guarda proporcionalidade com as bancadas da Casa. Além das propostas elaboradas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o grupo também avalia a proposta elaborada por uma comissão de juristas integrada, entre outros, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

Continua após a publicidade

Segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o texto que sairá do grupo de trabalho, ainda não concluído, será submetido diretamente ao plenário da Casa. O governo aposta na apresentação de emendas para reverter derrotas no colegiado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.