Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Paes dialoga sobre greve com diretores de escolas do RJ

A paralisação teve início em agosto. Depois de dez dias suspenso, o movimento retornou questionando o plano de cargos e salários da prefeitura

Por Da Redação 5 out 2013, 19h02

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, se reuniu na manhã deste sábado com representantes de pais e diretores de escolas municipais na tentativa de encontrar saídas para o impasse na greve de professores que se estende por dois meses. Diretores dos conselhos de pais e diretores, eleitos pelas categorias, falaram por mais de três horas sobre a paralisação e a necessidade de discutir um plano de reposição de aulas.

Segundo Paes, um novo encontro deve acontecer na próxima terça-feira, dia 8, com integrantes do conselho de professores e funcionários. A medida, idealizada pelo prefeito, visa estabelecer um canal alternativo ao Sindicato de Educadores e Profissionais de Ensino (Sepe), que tem comandado as manifestações grevistas.

Leia também:

Sindicato dos professores do Rio é reprovado em matemática

PM que teria forjado flagrante também lançou spray de pimenta contra professores

“É um processo de diálogo. Convidei os conselhos para ouvir e tentar entender de que forma podemos avançar”, resumiu o prefeito. Ao lhe perguntarem se os encontros contemplariam também o sindicato, Paes não respondeu e encerrou a coletiva. Antes, ele havia afirmado que se reuniu dez vezes com o sindicato e que não poderia “sentar numa mesa de negociação que não tem limites, agenda ou pauta.”

“Queremos deixar claro que já avançamos, com o plano de cargos que aumenta a remuneração deste ano, que reconhece as carreiras, e os direitos de aposentados. Mas não se avança tudo do dia para a noite, com faca no pescoço ou com greve. Diálogo pressupõe sentar e discutir, não partir para o radicalismo”, disse.

Continua após a publicidade

Na avaliação do prefeito, cerca de 85% dos professores estão dando aulas normalmente. “Os pais estão angustiados. É claro que o interesse da classe é legítimo, mas ela deixa de ser quando prejudica as crianças que estão sem aula”, afirmou.

Manifestações – A greve teve início em agosto. Em setembro, depois de dez dias suspenso, o movimento retornou questionando a proposta para o plano de cargos e salários da prefeitura. Na última terça-feira, a Câmara de Vereadores aprovou o plano sob forte pressão dos professores, que estavam acampados em frente ao prédio. Os manifestantes foram duramente reprimidos pela polícia.

Eduardo Paes afirmou que “grupos radicais” se infiltraram nas manifestações. “Fizemos dez reuniões e não houve nenhum gesto de violência. Professor não ataca prédio, quebra cadeado ou anda mascarado”. Após as manifestações, a prefeitura decidiu cortar o ponto dos grevistas. Segundo o prefeito, a reposição será decidida por cada diretoria das escolas.

Depois do encontro, a representante dos pais, Sebelina Rocha da Silva, afirmou que a prefeitura está se esforçando para dialogar. O conselho solicitou o fim da greve e a retomada das aulas com um plano de reposição.

“Reivindicar direitos é para todos, mas nesse momento nossos filhos estão perdendo seus direitos. As crianças estão na rua, soltas. Crianças que necessitam daquele café da manhã, almoço”, afirmou a conselheira, moradora da favela da Maré (Zona Norte) e mãe de quatro estudantes da rede municipal.

Já o representante dos diretores, Niverson Antunes, afirmou que o plano de cargos e salários aprovado “é bom, mas não é perfeito”. Responsável pela escola Ginásio Experimental de Artes, na Praça Mauá (centro), ele classificou a reunião como “extraordinária, uma expressão democrática”.

“A greve tem legitimidade, mas já conquistamos algumas coisas”, observou Antunes. “Em relação ao que tínhamos, melhorou. É um avanço chegarmos onde chegamos. É hora de sentar e conversar, discutir questões pedagógicas. O prefeito sinalizou que está aberto ao diálogo”.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade