Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Os velhos novos tempos: a campanha de Lula no Nordeste

Aos 75 anos, o ex-presidente mostrou que ainda mantém alta a vitalidade política

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 13h02 - Publicado em 27 ago 2021, 06h00
BEM NA FOTO - Lula e a namorada, Janja: deleite numa praia “isolada” do Ceará -
BEM NA FOTO - Lula e a namorada, Janja: deleite numa praia “isolada” do Ceará – (Ricardo Stuckert/.)

Experimentar um avião de carreira ou um passeio pelas ruas de uma grande cidade não está nos planos do ex-presidente Lula — ao menos por enquanto. Na sexta-feira 27, ele encerrou um périplo pela Região Nordeste. Em um jato alugado, visitou seis estados em doze dias, se reuniu com governadores, prefeitos, deputados e vereadores dos mais variados partidos. Pregou a necessidade de união das siglas contra o adversário comum, prometeu ajuda aos pobres, emprego, crescimento e criticou a imprensa. Em momento nenhum falou explicitamente que será candidato à Presidência da República. Aos 75 anos, o ex-presidente mostrou que ainda mantém alta a vitalidade política. Em seu giro, também deixou evidente uma não menos impressionante vitalidade física.

A foto de Lula ao lado da socióloga Rosângela da Silva, a Janja, sua nova companheira, foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais durante a semana. Ela foi captada pelo fotógrafo oficial do PT numa praia do Ceará, postada no perfil da namorada e mostra que o ex-presidente está em excelente forma física para a idade — diferente de outras imagens publicadas no mesmo dia, nas quais ele parece bem menos atlético, bem menos bronzeado e com os cabelos rareados à mostra. Retratos podem ficar melhores ou piores, dependendo do ângulo captado e da mensagem que se quer passar. No momento, Lula quer voltar ao centro do tablado e construir a narrativa de que foi vítima de uma “conspiração internacional” para apeá-lo do poder. Em suas aparições no Nordeste, a imprensa e o grande público foram mantidos a uma distância prudente. Os “populares” que cercaram o ex-presidente nos eventos foram sempre militantes partidários, sindicalistas e ativistas de organizações sociais ligadas ao PT.

Nesse início de campanha informal, Lula não quer se arriscar no teste das ruas. Ainda assim, em Fortaleza, apoiadores do petista e bolsonaristas chegaram a ensaiar um confronto. Houve troca de insultos entre manifestantes que empunhavam cartazes onde se liam provocações como “Luladrão” e “Bozo”. No Ceará, aliás, a passagem de Lula foi marcada por um episódio insólito. O ex-­presidente e a namorada foram convidados pelo governador Camilo Santana a pernoitar numa confortável casa que a família do governador tem na Praia de Picos, distante 200 quilômetros da capital. A pequena mordomia passaria despercebida não fosse um exagero: para garantir a privacidade do petista, Santana deu ordens para isolar a praia. Viaturas da polícia cercaram os acessos ao local, o que provocou protestos de moradores e de turistas que visitavam a região. A paisagem bucólica e a lua cheia ajudaram a compor o cenário da imagem que viralizou na internet e mexeu na disputa de popularidade nas redes sociais.

Continua após a publicidade

Após o início da viagem, o petista tomou de Bolsonaro a liderança no ranking de popularidade digital (IPD) elaborado pela consultoria Quaest. Em 9 de agosto, um dia antes do barulhento desfile de tanques pela Praça dos Três Poderes, Bolsonaro era o líder no IPD com 62,34 pontos, enquanto Lula marcava apenas 36,29 pontos. Na sexta-feira 20, Lula já estava na ponta, com 59,79 pontos, à frente do ex-capitão, com 52,38. O ranking leva em consideração dados colhidos em redes sociais e buscadores, além de uma série de variáveis, como a capacidade de promover engajamento e a receptividade às mensagens postadas. O PT — que reconhece ter sido negligente com o universo digital em 2018 — agora joga também pesado nessa seara.

Bem-sucedido na visão dos petistas, o tour de Lula pelo Nordeste foi uma espécie de ensaio geral para a estratégia e o discurso que o PT pretende adotar na campanha do ano que vem. Serviu também para mostrar que o ex-presidente e o seu partido continuarão se valendo de velhos vícios. Além do jatinho alugado, a comitiva de dez pessoas se hospedou em hotéis de primeira linha e promoveu eventos de apoio em todos os lugares por onde passou. O PT, no entanto, não informa quanto tudo isso custou. No passado, caravanas assim também eram comuns. Muitos acreditavam que os recursos que financiavam essas campanhas eram oriundos da venda de estrelinhas vermelhas e camisetas. A Lava-Jato mostrou que a fonte era outra.

Publicado em VEJA de 1 de setembro de 2021, edição nº 2753

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.