Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Os efeitos do possível fim da condenação em segunda instância

Mudança de entendimento do STF soltaria Lula, José Dirceu e mais de dez condenados na Lava-Jato, mas não Sérgio Cabral e Eduardo Cunha

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 15h17 - Publicado em 1 nov 2019, 06h00

Quando retomar a análise da legalidade das prisões após condenação em segunda instância na próxima quinta, 7, o Supremo Tribunal Federal, ao que tudo indica, mudará o entendimento que adotou em 2016 e voltará a vetar essa possibilidade, considerada um dos pilares no combate à corrupção. Em tom apocalíptico, autoridades como o coordenador da Lava-Jato em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol, disseram que a mudança colocaria nas ruas mais de 100 000 bandidos. O cenário é ruim, mas não tanto. Na verdade, seriam beneficiados 4 895 encarcerados, conforme uma estimativa mais precisa do Conselho Nacional de Justiça. Eles ganhariam a liberdade até o trânsito em julgado de seus processos ou pelo menos até serem julgados no Superior Tribunal de Justiça. O mais notório beneficiado é o ex-­presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que desde abril de 2018 cumpre pena de oito anos, dez meses e vinte dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá.

O veto do STF à prisão em segunda instância também colocará nas ruas outros famosos condenados da Lava-­Jato como o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT) e seu irmão, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, além de pelo menos mais doze apenados pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), entre empreiteiros, operadores de propinas e ex-funcionários da Petrobras. Há ainda aqueles que estão em regime semiaberto e poderão tirar a tornozeleira, como os ex-tesoureiros do PT João Vaccari Neto e Delúbio Soares, ou deixar de dormir na cadeia, como o empresário Natalino Bertin.

NÃO SAI TÃO CEDO - Condenado a 267 anos, Cabral está preso desde 2016 (Rodolfo Buhrer/La Imagem//Fotoarena)

De fato, os criminosos de colarinho branco serão os principais beneficiados de um recuo do STF. Ao contrário do alardeado pelo ministro Luiz Fux durante o julgamento, suspenso na quinta-feira 24, condenados por assassinatos notórios, como Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, que mataram a filha dele Isabella, e Elize Matsunaga, que esquartejou o marido Marcos Kitano Matsunaga, não seriam alcançados, pois também são alvo de prisões preventivas, decretadas quando há risco à ordem pública, de embaraço à investigação ou de fuga.

A mesma situação ocorre com alguns tubarões fisgados pela Lava-Jato, especialmente os que podem se articular fora da cadeia para atrapalhar investigações ainda em andamento. Encaixam-se nessa categoria o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, ambos do MDB. Nenhum dos dois deixará o xilindró. Condenado a 267 anos de prisão em doze processos, Cabral tem quatro preventivas decretadas pelo juiz Marcelo Bretas nas investigações sobre a organização criminosa instalada no governo fluminense durante sua gestão, entre 2007 e 2014. Preso em novembro de 2016, o ex-governador encontra-se em Bangu 8, no Rio, cumprindo provisoriamente a pena de catorze anos e dois meses a que foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Detido em outubro de 2016, o outrora poderoso Cunha tem duas preventivas em vigor determinadas nos processos sobre corrupção e lavagem de dinheiro em contratos da Caixa Econômica Federal e na construção da Arena das Dunas, em Natal. Ele cumpre, também em Bangu, os catorze anos e seis meses de prisão impostos pelo TRF4.

CAUSA - Gilmar Mendes: no STF, ele é o maior crítico dos métodos da Lava-Jato (Adriano Machado/Reuters)

Condenados em segunda instância e presos há mais de três anos, tanto Cabral quanto Cunha negociaram acordos com o Ministério Público Federal ou Polícia Federal (ainda não formalizados) para diminuir o tempo na prisão. Cabral, que até o início de 2019 negava ter se corrompido, trocou de advogado e pediu para ser reinterrogado — passou, então, a admitir o recebimento de propinas e a compra de votos para sediar a Olimpíada de 2016. A possibilidade de começar a cumprir a pena já em segunda instância é um dos fatores usados pela Lava-­Jato para estimular delações. O temor é que, se o réu puder recorrer em liberdade por muitos anos, fique mais difícil ele topar ser delator. “Se ocorrer uma mudança no Supremo sobre a segunda instância, a Lava-Jato e sua estratégia sofrerão um enfraquecimento, pois alguns réus poderão desistir das delações premiadas”, diz o ex-­presidente do STF Carlos Velloso.

Toda a discussão sobre a segunda instância tem origem no artigo 5º da Constituição, escrita sob a marca de “cidadã”, com foco na garantia de direitos individuais, como é a presunção de inocência. O texto determina que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. O sistema judicial brasileiro tem na prática quatro instâncias: o juiz de primeiro grau, que decide sozinho; o tribunal de segunda instância, que já é um colegiado; o Superior Tribunal de Justiça (STJ); e, quando envolvido princípio constitucional, o próprio STF. A longa trajetória até o esgotamento de todos os recursos favorece os réus de crimes de colarinho-branco, que geralmente têm mais condições de garantir a sua defesa nos tribunais até o fim.

SEM ADEREÇO - Vaccari: sem tornozeleira se cair a prisão em segunda instância (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Mesmo com o texto da Constituição, de 1988, cada juiz decidia na prática se o condenado seria ou não preso em segunda instância. Por isso, em 2009, o STF decidiu reforçar a orientação, determinando que o réu só poderia ser preso após o esgotamento de todos os recursos. Essa posição acabou sendo alterada pela própria Corte em 2016, em meio ao avanço da Lava-­Jato, que vivia o seu auge, e ao clamor da população, que, em grandes manifestações de rua, exigia maior rigor contra a corrupção. Mas agora os ventos viraram: a operação vive o seu pior momento e o STF se tornou o depositário de todo tipo de reclamação contra a execução antecipada de pena, o que levou à mudança de posição de alguns ministros, como Gilmar Mendes, e à pressão para que a Corte se debruçasse novamente sobre o tema. Eduardo Bastos Furtado de Mendonça, coordenador do Centro Brasileiro de Estudos Constitucionais, avalia como normais essas alterações nas interpretações do Supremo, mas alerta para a insegurança jurídica quando elas são tantas e em tão pouco tempo: “Mudar a jurisprudência não é incomum, mas mudar tão rápido e mais de uma vez passa a mensagem ruim de que a jurisprudência é instável e de que as pessoas não devem poder confiar nela”.

Os principais países democráticos do mundo adotam a prisão em segunda instância, porém em alguns casos, como Alemanha, França e Itália, há uma nuance: no primeiro grau, não é um juiz solitário que decide, mas um colegiado. Nos Estados Unidos, a prisão é possível após o primeiro julgamento, mas, na maioria dos casos, a decisão também é colegiada, por um júri popular. Tanto nos Estados Unidos quanto na Inglaterra, boa parte dos réus é presa antes mesmo de ser julgada, após se declarar culpada. Em Portugal, o réu aguarda em liberdade o trânsito em julgado, porém lá não há tantas possibilidades de recurso como no Brasil.

Continua após a publicidade

Por aqui, o novo debate deve chegar ao voto do presidente Dias Toffoli com o placar em 5 a 5. Já decidiram a favor da prisão em segunda instância Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux — eles devem ganhar a adesão de Cármen Lúcia. Já se posicionaram contra Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber — ao lado deles ficarão Gilmar e Celso de Mello. Toffoli diz estar “pensando” em seu voto: “Muitas vezes o voto nosso na presidência não é o mesmo voto, em razão da responsabilidade da cadeira presidencial”. Em meio às críticas de que o recuo favoreceria a impunidade e faria o país regredir à era pré-Lava-Jato, ele levou ao Congresso uma proposta para alterar o Código Penal e suspender a prescrição até o julgamento de recursos em tribunais superiores.

Embora possa ser beneficiado pela decisão do STF de rever a prisão em segunda instância, Lula quer provar na Justiça a suspeição do juiz Sergio Moro para conseguir a anulação de todos os seus processos da Lava-Jato, que voltariam ao estágio da denúncia. O petista diz que somente isso corrigirá uma injustiça. A estratégia traz embutido também um cálculo de ordem prática. Como é réu em sete ações penais e já foi condenado em outro caso além do tríplex (o do sítio de Atibaia, em primeira instância), Lula vai precisar de uma reviravolta ainda maior da Justiça para não correr o risco de sair e voltar para a cadeia em um curto espaço de tempo.

(./.)

Publicado em VEJA de 6 de novembro de 2019, edição nº 2659

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.